Notícia

Com Ciência

Expedição inicia estudo em afluente do Solimões

Publicado em 06 setembro 2006

Pesquisadores brasileiros, do Instituto de Economia (IE) da Unicamp e da Universidade de São Paulo (USP), junto com especialistas da Bolívia, Chile, Colômbia, França, Holanda e Inglaterra, partiram nesta segunda-feira, dia 04 de setembro, em uma expedição que percorrerá cerca de 3.000 km, da Bacia Acre-Purus. Levam na bagagem o Projeto "Governança das Águas do Rio Purus", que pretende avaliar como acontece a interdependência entre as comunidades e os recursos hídricos e propor formas de gestão integrada que garantam a sustentabilidade socioambiental. Os estudos focalizam o Comitê de Bacia do Rio Purus, último grande afluente da margem direita do rio Solimões (Amazonas), que segue a direção sudoeste-nordeste.

O rio Purus tem sofrido grande interferência do homem (ação antrópica) decorrente de atividades como a pesca, caça, exploração madeireira e agricultura familiar. Conforme dados da Ong Ambiente Brasil, aproximadamente 40% do desembarque pesqueiro da cidade de Manaus, por exemplo, é proveniente de seus lagos de várzea. Nas margens do Purus existe ainda a Reserva Biológica do Abufari e a Reserva de Desenvolvimento sustentável do Piagaçu-Purus (ambas no Amazonas) e a Floresta Estadual do Chandless (Acre).

Segundo o coordenador do projeto pela Fapesp, Ademar Ribeiro Romeiro, do IE da Unicamp, apesar de existirem muitos estudos sobre o assunto a situação da região é pouco conhecida. Nesse sentido, "um levantamento da situação local permitirá avaliar as pressões existentes sobre o meio ambiente, seu estado, impactos e respostas da sociedade. Além de contribuir com a elaboração de políticas públicas para melhoria do local e formação de gestores". A idéia é que o plano resultante das pesquisas possa servir de modelo para os países envolvidos. Entre eles, apenas o Brasil e a França adotam o sistema de Comitês de Bacias, onde há gestores, nos demais a gestão dos recursos hídricos é feita pelas prefeituras e estados, comenta Romeiro.

O plano inclui a criação de um curso de especialização voltado para membros de comitês de gestão de água, funcionários de autarquias, e outros profissionais envolvidos com a área. De acordo com Romeiro, a elaboração do curso está prevista para março de 2007 e sua implementação para 2008. "O projeto prevê ainda abertura para estudantes envolvidos, com intercâmbios de bolsistas, com bolsa-sanduíche para a França, Bolívia e Colômbia, que estão ligadas diretamente", diz.

A expedição conta hoje com 15 pesquisadores das seguintes universidades: Enfref (França), USP, Unicamp, Varrigne (Holanda), Greenwich (Inglaterra), Conception (Chile), Boliva (Bolívia) e Universidad Nacional da Colômbia. Eles farão um reconhecimento do local e coleta de dados até o dia 9 deste mês. O projeto é financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa no Estado de São Paulo (Fapesp) e pela Comunidade Econômica Européia (CEE).