Notícia

Jornal da Manhã (Marília, SP) online

Ex-alunos do Univem destacam-se no meio científico e profissional

Publicado em 13 abril 2013

Pedro Henrique Bugatti e Priscila Tiemi Maeda Saito foram aprovados em concurso docente na Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), campus de Cornélio Procópio, ele em meados de 2010 e ela no início de 2012.

Agora em março, ambos participaram do ‘28th Symposium On Applied Computing (ACM SAC 2013)’, conferência internacional qualificada como Qualis A1, promovida pelo Instituto Politécnico de Coimbra (IPC), em Portugal, entre os dias 18 a 22 de março.

Mas não são apenas estes os pontos em comum na trajetória destes jovens e talentosos cientistas. Pedro e Priscila graduaram-se em Ciência da Computação pelo Univem, ele no final de 2005 e ela dois anos depois. Prestaram provas para ingressar no mestrado ainda no último ano do curso.

Pedro foi aprovado em seis programas de mestrado, todos em universidades públicas de excelência. A opção recaiu no Instituto de Ciências Matemáticas (ICMC) da USP de São Carlos, na área de Banco de Dados. Em abril de 2008, ele defendeu a dissertação “Análise da influência de funções de distância para o processamento de consultas por similaridade em recuperação de imagens por conteúdo”. Sua dissertação ficou entre as 10 melhores do país defendidas em 2008, de acordo com o ranking gerado pelo 22º Concurso de Teses e Dissertações, do 29º Congresso da Sociedade Brasileira de Computação.

Priscila foi aprovada no ICMC-USP (São Carlos), IME-USP (São Paulo), IC-Unicamp (Instituto de Computação) e UFSCar. A opção recaiu sobre o ICMC-USP, em São Carlos. A dissertação envolveu pesquisas na área de Sistemas Distribuídos e Programação Concorrente, com Sistemas de Tempo Real.

Pedro concluiu o doutorado em outubro de 2012, também no ICMC-USP. Sua tese baseou-se em pesquisas sobre mensurações e técnicas para o cálculo de similaridade entre imagens, focando na percepção do usuário especialista, no caso, os médicos radiologistas.

Priscila deve defender sua tese daqui a um ano, no Instituto de Computação da Unicamp. Sua pesquisa gira em torno da análise e do desenvolvimento de técnicas de aprendizado com a intervenção mínima do usuário, para apoio à pesquisa, ao diagnóstico e ao tratamento de doenças por imagens, mais especificamente de parasitos intestinais no homem.

No mestrado e no doutorado, ambos contaram com o apoio de bolsas de fomento à pósgraduação, de órgãos como CNPq, Capes e Fapesp.

A IC como base

“A experiência com a Iniciação Científica durante a graduação, com várias publicações em eventos científicos nacionais e internacionais, contribuiu muito para minha aprovação para o mestrado e, posteriormente, doutorado”, lembra Priscila. Seu projeto de IC, intitulado “Otimização do Processamento de Imagens Médicas utilizando a Computação Paralela”, foi desenvolvido sob a supervisão da Profa. Dra. Kalinka Regina Lucas Jaquie Castelo Branco e a colaboração da Profª. Drª. Fátima de Lourdes dos Santos Nunes. O projeto englobou o estudo e a implementação sequencial e paralela de técnicas de processamento de imagens, com o objetivo de demonstrar a viabilidade na otimização do tempo de processamento de imagens médicas.

Logo no primeiro ano, Pedro teve a oportunidade de trabalhar com linguagem VHDL e Realidade Virtual. No segundo ano, iniciou as pesquisas com Banco de Dados. No terceiro ano, sob orientação do Prof. Dr. Edward Moreno, desenvolveu o projeto “Implementação de Algoritmos Criptográficos Simétricos utilizando Microcontroladores”. Pedro não tem dúvidas da importância da IC na formação do aluno. “Amplia os horizontes e nos leva a buscar a construção do conhecimento”, testemunha.

Os ex-alunos do Univem contaram com o apoio de uma bolsa de IC concedida pela Fapesp, órgão de fomento à pesquisa do governo estadual.

A docência na UTFPR

Pedro começou a dar aulas na UTFPR no início de 2011, para a graduação em Engenharia da Computação. Em fevereiro deste ano, passou a fazer parte do quadro docente do Programa de Pós-Graduação em Informática, na linha de Inteligência Computacional, ministrando a disciplina de Processamento de Imagens.

Priscila começou a trabalhar em fevereiro de 2013, também na graduação em Engenharia da Computação. “Ser professor e pesquisador sempre foi nossa meta profissional, desde a graduação”, revelam.