Notícia

Portal do Governo do Estado de São Paulo

Evento em São Paulo debate os desafios da gestão de resíduos sólidos

Publicado em 02 setembro 2019

Realizado na capital paulista na última segunda-feira (26), seminário integra o Ciclo ILP-Fapesp de Ciência e Inovação

Na última segunda-feira (26), a capital paulista recebeu as atividades do seminário “Ciência e a Gestão de Resíduos Sólidos”, como parte do Ciclo ILP-Fapesp de Ciência e Inovação. Os eventos da série ocorrem uma vez ao mês na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) e resultam de uma parceria entre o Instituto do Legislativo Paulista (ILP) e a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

Diversos temas foram debatidos pelos especialistas, tais como os minerais nobres, a exemplo do cobre, que estão entre os materiais que podem ser retirados de eletrônicos descartados e reutilizados em novos celulares e computadores.

Já o resíduo orgânico doméstico e o proveniente da agroindústria podem dar origem tanto a adubo natural como ao biogás e ao biometano e ser usados diretamente como combustível ou queimados para geração de energia elétrica.

De acordo com pesquisadores e empreendedores, a chamada economia circular depende de uma gestão adequada dos resíduos sólidos. Para isso, universidades, governos e empresas precisam trabalhar de forma integrada, criando tecnologias e políticas públicas adequadas.

Agroindústria

Um dos campos mais promissores para a geração de energia a partir de resíduos é a agroindústria. Responsável por mais de 20% do Produto Interno Bruto (PIB) nacional, o setor também gera em grandes quantidades elementos que podem ser reaproveitados, como estrume de animais, bagaço, vinhaça e torta de filtro da cana-de-açúcar (subprodutos da indústria sucroalcooleira), entre outros.

“Apenas na produção de cana-de-açúcar, são gerados hoje 200 milhões de toneladas de resíduos sólidos por ano. Alguns têm uma destinação. O bagaço, por exemplo, nem pode ser considerado resíduo: é queimado para gerar energia elétrica para as próprias usinas, tornando-as autossuficientes”, explicou Bruna de Souza Moraes, pesquisadora do Núcleo Interdisciplinar de Planejamento Energético da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), à Agência Fapesp.

Quando se trata de eletroeletrônicos, o que atualmente é um passivo ambiental também pode ser transformado em recursos. O lixo eletrônico tem grandes quantidades de metais que podem ser totalmente reutilizados, desde que sejam realizadas técnicas adequadas para a sua recuperação.

“Não é trivial fazer a reciclagem de eletroeletrônicos, que usam materiais cada vez mais raros na natureza. Então, o caminho natural é fazer essa recuperação”, salientou Jorge Alberto Soares Tenório, professor da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP), à Agência Fapesp.

O pesquisador lembrou que a produção de eletroeletrônicos consome hoje, por exemplo, 30% do cobre e mais de 80% do índio, metal usado em telas de smartphones, produzidos no mundo. As chamadas terras-raras, também usadas nesses equipamentos, existem apenas na China.

“Se não recuperarmos esses minerais, eles vão se perder. A ideia, portanto, é realizar processos para criar uma economia circular para produzir esses bens que temos em mãos, como celulares, TVs e demais eletroeletrônicos”, completou o docente, que, em laboratório, consegue recuperar até dez materiais por meio de técnicas mecânicas, térmicas ou químicas.

Destinação

Segundo especialistas, um passo fundamental para que os resíduos possam ter uma destinação adequada foi a promulgação da Política Nacional de Resíduos Sólidos, em 2010.

“Hoje, quem atua nessa área tem um norte, um direcionamento do que fazer inclusive em termos de pesquisa, tanto em nível de ciência quanto de tecnologia. Então, a Política Nacional de Resíduos Sólidos é um marco para quem estuda esse tema”, enfatizou Valdir Schalch, professor da Escola de Engenharia de São Carlos da USP, à Agência Fapesp.

O pesquisador lembrou que 60% dos municípios brasileiros ainda têm lixões, nos quais os resíduos são despejados a céu aberto sem nenhum tratamento. O fim dos lixões era uma meta estabelecida para 2014, que acabou sendo estendida para 2021.

Na gestão dos resíduos sólidos, a parte mais onerosa para as prefeituras é a coleta, correspondente a 70% dos custos. Como estima-se que o Brasil gaste cerca de R$ 21 bilhões por ano com a gestão de resíduos, mais de R$ 14 bilhões iriam só para a coleta.

Inovação

A RedeResíduo desenvolve, com auxílio do Programa Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (Pipe), da Fapesp, um sistema inteligente que avisa, em um determinado perímetro, quais lixeiras estão cheias ou vazias. Com esses dados, é possível traçar uma rota e evitar deslocamentos desnecessários, otimizando a coleta e gerando uma economia em torno de 30%.

“Estamos convivendo com algumas tendências mundiais de escassez de matéria-prima e recursos, ao mesmo tempo em que os custos de gestão ambiental são bem maiores. Se não inovarmos, vamos chegar ao mesmo lugar. E hoje esse local é o aterro sanitário, rios e mares poluídos cheios de plástico. O que vai fazer a diferença é tecnologia e inovação”, afirmou à Agência Fapesp Francisco Luiz Biazini Filho, sócio da empresa.