Notícia

Camaçari Notícias

Etanol que dobrará produção sem aumentar área plantada chegará aos postos em 10 anos

Publicado em 18 abril 2012

Por Pablo Sangalli Ribeiro



Conforme Gilberto Costa da Agência Brasil, o nosso país já está produzindo em laboratório o álcool feito a partir do bagaço e da palha da cana-de-açúcar. Em cinco anos, terá início a produção demonstrativa do chamado etanol de segunda geração em escala industrial e, em dez anos, o combustível renovável estará nas bombas dos postos de abastecimento, misturado ao atual álcool de primeira geração (feito a partir do caldo da cana-de-açúcar), como prevê a bióloga Elba Bon, professora do Departamento de Bioquímica da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Para ela, a tecnologia pesquisada para a extração do etanol de segunda geração "está vindo para ficar e vai dobrar a produção de etanol sem aumentar a área plantada", juntando com os resíduos da palha do milho e do trigo.

Vantagens?
Além das vantagens ambientais, Elba Bon enumera razões econômicas (baixo custo da biomassa; pouca necessidade de investimento em infraestrutura para transporte; diminuição da competição com a produção de açúcar); razões geopolíticas (desenvolvimento de tecnologia nacional face à concorrência internacional, que já explora etanol de segunda geração); razões sociais (vocação para o campo e geração de emprego, inclusive de pessoal qualificado); e razões de saúde pública. "Se você tem uma boa qualidade do ar [o álcool não polui como o petróleo] e uma boa qualidade da água [a produção tem menor risco de vazamento para oceanos e rios], gasta-se menos com saúde", explica.

Custos, dificuldades e apostas
Embora vantajoso, a bióloga alerta que o custo do etanol de segunda geração é maior do que o da produção atual; que vai competir com a geração de energia das usinas, feita hoje com a queima dos resíduos da cana; e, ainda, que a produção em larga escala depende da descoberta de uma enzima que consiga quebrar as moléculas de açúcar para fazer a fermentação do álcool.

"A dificuldade técnica é conseguir retirar os açúcares desse material sólido para fazer a fermentação", complementa o também biólogo João Ricardo Moreira de Almeida, pesquisador da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa Agroenergia). Segundo ele, para extrair o etanol de segunda geração é preciso utilizar enzimas de micro-organismos, que quebram as estruturas e permitem a fermentação do álcool.
Esses micro-organismos atuam na natureza para degradar material em decomposição. As pesquisas em andamento, em laboratórios públicos e privados (nacionais e de estrangeiros) apostam em micro-organismos encontrados no solo da Floresta Amazônica (capaz de degradar folhas, frutos, galhos e pedaços de árvore que caem) e nos micro-organismos encontrados no aparelho digestivo dos caprinos (bode e cabra), conhecidos por ingerirem vários tipos de alimentos.

Segundo os dois especialistas, as pesquisas com micro-organismos para a extração de etanol de segunda geração têm recebido amparo regular da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj), além de financiamento do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep).