Notícia

Unesp

Estudo sobre Parkinson obtém bons resultados

Publicado em 03 abril 2013

Por Leandro Rocha

Entrou na fase final e com resultados promissores projeto de pesquisa, realizado na Faculdade de Medicina (FM) da Unesp, Câmpus de Botucatu, que pretende ampliar a compreensão sobre a doença de Parkinson com ajuda de um sensor em forma de caneta.

Com a ajuda do equipamento, denominado caneta biométrica BiSP, o estudo se propõe a esquadrinhar as minúcias de movimentos manuais voluntários de pacientes com a doença, acompanhar a evolução da execução dos movimentos e as respostas aos tratamentos usados, assim como comparar esses dados com os de pessoas saudáveis.

Em março deste ano, o professor Christian Hook, pesquisador da Universidade de Regensburg e responsável pelo desenvolvimento da BiSP (sigla para Biometric Smart Pen) esteve na FM acompanhado dos alunos Martin Mauerer e Roman Adamczyk, da mesma instituição. Com a participação dos convidados, os resultados, perspectivas e novas etapas desse estudo foram apresentados recentemente em um workshop e um curso de pós-graduação realizados na Faculdade de Engenharia da Unesp de Bauru.

De acordo com a professora Silke Weber, do Departamento de Oftalmologia, Otorrinolaringologia e Cirurgia de Cabeça e Pescoço da FM/Unesp, responsável pelo planejamento da pesquisa, a precisão dos testes realizados com ajuda da caneta tem atingido índices de até 99% de acerto.

“Após três anos de muito trabalho, estamos colhendo bons frutos e dando passos importantes em nosso processo de internacionalização. Além disso, conseguimos integrar profissionais de diferentes áreas (Medicina, Computação e Engenharia) na própria Unesp e até de outras instituições, inclusive do exterior, nos segmentos de graduação, pesquisa e pós-graduação ”, afirma professora Silke.

O estudo, que conta com financiamento do Ministério de Ciência e Pesquisa da Alemanha e da Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo), está em andamento na Faculdade de Medicina de Botucatu desde outubro de 2010. É o primeiro do mundo a propor uma analise longitudinal com o aparelho, ou seja, a avaliação periódica da motricidade de pacientes de Parkinson. Devido à existência de um ambulatório específico para a doença no Hospital Universitário de FMB/Unesp, os pesquisadores podem contar com o retorno periódico dos pacientes (o que é mais complicado na Alemanha) para acompanhar e medir seu desenvolvimento com respeito ao comportamento motor fino.

O projeto da caneta BiSP desenvolve-se dentro da biometria. Ou seja, para medir características de uma pessoa de modo a identificá-la de forma única, assim como os leitores de íris e das digitais. No caso, a ideia era captar as singularidades da assinatura de alguém, já que todos escrevem diferentemente, e usar o sistema para segurança de dados e acesso. Daí, através de programas de inteligência artificial, o sistema, então, “aprende” a classificar um sinal de entrada, ou seja, compara este com sua base de dados armazenados e reconhece quais as semelhanças e diferenças.

O sistema de reconhecimento gráfico pode ser utilizado para a identificação de assinaturas (aplicação prática, por exemplo, na assinatura eletrônica). Neste projeto foi desenvolvida uma sequência de figuras que o paciente desenha, independente de sua fluência na escrita.

Professor Arthur Oscar Schelp, do Departamento de Neurologia, Psicologia e Psiquiatria da FMB/Unesp, responsável pelo ambulatório que atende pacientes com Parkinson no Hospital das Clínicas da FMB, é também um dos colaboradores do projeto.

Assessoria de Comunicação e Imprensa da FM/Unesp