Notícia

Ecofor Mata Atlântica

Estudo poderá estabelecer relação entre desmatamento e qualidade do solo

Publicado em 14 agosto 2017

O fato de que o desmatamento causa mudanças significativas na distribuição das espécies de plantas e no seu funcionamento é consenso entre pesquisadores. Mas uma parte ainda pouco estudada é a relação do solo com esses distúrbios. É para trazer respostas sobre este tema que o doutorando Lucas de Siqueira Cardinelli, estudante da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), está desenvolvendo sua pesquisa dentro do Projeto ECOFOR (Biodiversidade e Funcionamento de Florestas Degradadas e em Recuperação na Amazônia e na Mata Atlântica). O projeto tem financiamento da FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo), e o aluno recebe bolsa da CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior).

Segundo explicou Lucas, há a necessidade de entender como a fragmentação florestal afeta o solo. Com a pesquisa que está realizando, serão levantados dados de fertilidade química, granulometria e teores de carbono e nitrogênio do solo. “Nossa pesquisa visa entender como os distúrbios afetam o solo e como o solo afeta as plantas”, conclui.

Para realizar o estudo, Lucas recolhe amostras de solo de diferentes áreas e diferentes profundidades. As amostras são levadas para laboratório, onde serão estudadas para que sejam levantados os dados necessários. “Os resultados completarão os estudos já feitos com as plantas destes locais e servirão para entender melhor o funcionamento do ecossistema”, completa.

De acordo com Lucas, as coletas de solo começaram no mês de junho e por conta disso ainda não é possível ter nenhuma conclusão. Mesmo assim, existem algumas hipóteses levantadas pelo estudante que dão uma ideia do que pode ser esperado. “Eu acredito que com as análises prontas ficará muito claro que os solos das áreas perturbadas possuem uma quantidade muito menor de nutrientes e carbono, por exemplo. Ao unirmos estes dados com aquilo que já foi estudado sobre as plantas, perceberemos que, por exemplo, certos tipos de solo limitam a fotossíntese das plantas. Sendo assim, em futuros reflorestamentos será possível identificar quais as plantas devem ser usadas de acordo com o solo encontrado”, finaliza.

Sem dúvida, estudar o solo onde cresce a vegetação é tão importante quanto o estudo da vegetação. Quando o projeto ECOFOR estiver concluído teremos uma ideia bem mais ampla do funcionamento dessas áreas e da importância de sua conservação.