Notícia

BOL

Estudo pode revelar como zika causa lesões no cérebro, como microcefalia

Publicado em 29 novembro 2018

Pesquisadores do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (ICB-USP) encontraram uma molécula em camundongos fêmeas grávidas que, quando inibida, causa diminuição dos efeitos do vírus zika no sistema nervoso dos filhotes, como a microcefalia. A descoberta foi apresentada durante a Escola São Paulo de Ciência Avançada em Vacinas, em Santos, litoral de São Paulo, que ocorre do dia 22 de novembro ao dia 2 de dezembro.

"Quando tratamos as fêmeas prenhes contaminadas com um inibidor dessa molécula, conseguimos reduzir muito a quantidade de vírus que alcança o feto", explica Jean Pierre Schatzmann Peron, professor do ICB-USP e coordenador do estudo.

Os resultados podem ajudar a complementar ideias de futuras vacinas para o zika. Até o momento, uma imunização desenvolvida por um brasileiro segue em estado bastante avançado.

Depois de ter publicado os primeiros resultados em um artigo no periódico Nature em 2016, a equipe de Rafael Larocca, do Centro de Virologia e Pesquisa em Vacina (CVVR) de Harvard, nos Estados Unidos, chegou à fase 2 de testes em humanos.

"O que falta para liberar a vacina para o mercado são os testes de eficácia, em que ela é testada em áreas onde a doença é endêmica e que se sabe que as pessoas estão expostas ao vírus", diz o pesquisador. "A questão é que o vírus não está mais circulando, então não se pode fazer essa última parte dos testes."

Durante sua apresentação, Larocca apresentou ainda resultados de um estudo inédito que mostra que, em fêmeas de camundongos prenhes, a vacina desenvolvida por seu laboratório pode proteger não apenas as mães mas também o feto. Além disso, os pesquisadores mostram que, seis meses após vacinados, os animais adultos deram origem a uma prole imune ao vírus. "Os primeiros resultados mostram que é criada uma proteção não apenas da mãe para o feto no útero, como também após o nascimento dos filhotes", afirma o cientista.

"Apesar do grande avanço dos últimos anos nos estudos para vacinas contra HIV, malária, leishmaniose, doença de Chagas e outras, ainda é um grande desafio desenvolver vacinas para essas doenças. Surtos recentes como o de zika ajudaram a impulsionar a área, que tem evoluído muito. No entanto, o resultado final de novas vacinas no mercado ainda não é satisfatório", diz Irene da Silva Soares, organizadora do evento e professora da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo. Os atuais estudos, no entanto, estão próximos de chegarem a resultados eficientes.

Do UOL VivaBem*, em São Paulo

*Com informações da Agência Fapesp