Notícia

Lim HC

Estudo pode ajudar a entender por que a obesidade aumenta o risco de complicações cardiovasculares na COVID-19

Publicado em 22 outubro 2021

Karina Toledo | Agência FAPESP – Em pacientes com COVID-19, a obesidade é o fator que mais se associa ao desenvolvimento de disfunção endotelial – condição em que os vasos sanguíneos perdem a capacidade de se contrair e relaxar adequadamente, aumentando o risco de eventos como infarto, trombose e acidente vascular cerebral (AVC).

A constatação foi feita por um grupo de pesquisadores apoiado (17/25648-4 e 15/26501-1) pela FAPESP com base em dados de 109 pacientes internados com quadros moderados da doença. Os resultados foram divulgados na revista Obesity

“Fizemos a caracterização geral desses pacientes e tentamos identificar quais fatores poderiam modular ou acentuar o dano endotelial. Os resultados indicam que o item mais preponderante foi o IMC [índice de massa corporal]. Em segundo lugar, com bem menos relevância, encontramos o nível de creatinina no sangue, que é um marcador relacionado à função renal”, conta Alessandro Domingues Heubel, doutorando no Programa de Pós-Graduação em Fisioterapia da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e primeiro autor do artigo.

Heubel explica que o IMC é uma das principais ferramentas usadas por profissionais de saúde para mensurar o grau de sobrepeso e obesidade. O índice é calculado dividindo-se o peso (em quilos) pela altura (em metros) ao quadrado. Indivíduos com resultado igual ou superior a 30 kg/m2 são considerados obesos.

Foram incluídos na pesquisa pacientes de ambos os sexos, com idade média de 51 anos, internados no Hospital Estadual de Bauru e na Santa Casa de São Carlos. A obesidade foi a comorbidade mais prevalente (62%) nessa população, seguida por hipertensão (47%) e diabetes (17%).

Amostras de sangue foram coletadas logo após a admissão hospitalar e a função endotelial foi avaliada 72 horas depois, por meio de um parâmetro conhecido como dilatação mediada pelo fluxo (FMD, na sigla em inglês). O método não invasivo consiste em medir o diâmetro da artéria braquial (no braço), por meio de um exame de ultrassom vascular, antes e depois de uma manobra que obstrui o fluxo sanguíneo do antebraço durante alguns minutos.

Essa notícia também repercutiu nos veículos:
Folha.com Portal R7 Jornal de Piracicaba Ipa Online Gazeta de Limeira Paranashop Galileu online ABCD Real Saense Portal da Enfermagem Garanhuns Notícias Beto Ribeiro Repórter Dia a Dia Nordeste Capital Entorno Tudo é Espanto RCI Araraquara Plantão News (MT) Agência de Notícias – Defesa FEDAP - Fundação de Estudos para o Desenvolvimento da Administração Pública Portal do Governo do Estado de São Paulo Mix Vale Benefícios News Diário de Votuporanga online Ata News Portal da Cidade (Registro, SP) Notícias Botucatu Gazeta de Limeira online Poder no Quadrado Propuesta.com (Uruguai) A Voz dos Municípios (Laranjeiras, Sergipe) online Folha de Itapetininga Jornal Primeira Página online Jornal de Itatiba online Revista Amazônia Sou Catarinense Manchete Política Rádio Continental FM 96.1 O Servidor Público Espaço Ecológico no Ar Bomba Bomba TV Brusque MaisAM Metropolitana MS Relata Bahia São Bento em Foco Agora ES online TaubatéOn São Carlos Agora A Crítica (AM) online Play Crazy Game Pelo Mundo DF Oeste Ao Vivo Oeste 360 Toni Rodrigues Xingu 230 Verguia Jeremoabo.com.br Grava News - Jornal de Alfenas Jornal Ponta Grossa Diário D4 Notícias Campo Belo em Foco Sistema Provincia Acontece no RS Blog Saúde e Dicas Blog Jornal da Mulher TV & VC? Rádio Uau Jundiaí Online Lucas em foco Jornal A Cidade (Ponta Porã, MS) Portal Thathi Quimiweb The Quint (Índia) New Zealand Online News (Nova Zelândia) Daijiworld (Índia) Mr Health Tips (EUA) Saúde em Tela Portal RBN