Notícia

A Gazeta (ES) online

Estudo mostra relação entre cigarro e doença mental

Publicado em 02 março 2006

Estudo realizado no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) indica que o cigarro, além dos males físicos, afeta também a saúde mental dos fumantes. Segundo a Agência FAPESP, a pesquisa comprova que doenças mentais são mais freqüentes entre fumantes.
A pesquisa de revisão bibliográfica feita por Hercílio da Oliveira Jr. e André Malbergier, do Grupo Interdisciplinar de Estudos de Álcool e Drogas (Grea) da FMUSP, analisou mais de 70 artigos da base de dados internacional Medline. Os autores fizeram a associação de palavras-chave, em inglês, como "fumo" ou "dependência de nicotina", com termos como "depressão" e "esquizofrenia". No cruzamento de "fumo" e "depressão" foram encontradas 1.469 referências.
"Esse é um número considerado muito alto e que nos mostra uma via de mão dupla", disse Oliveira Jr à Agência FAPESP. Segundo o pesquisador, o dado revela duas realidades. Além do tabagismo predispor a doenças psiquiátricas, os indivíduos que já tem doenças mentais fumam mais que outros fumantes.
Além da depressão, a pesquisa associou a palavra "fumo" com transtornos como "pânico", "transtorno de déficit de atenção e hiperatividade", "esquizofrenia" e "abuso de drogas". Os resultados foram, respectivamente, 57, 181, 364 e 6.774 referências nos artigos analisados.
A associação entre tabagismo e abuso de drogas foi bem maior do que a depressão, o que comprovaria que o uso do cigarro pode ser a porta de entrada para outras substâncias viciantes. Os resultados da análise de Oliveira Jr. e Malbergier foram publicados na Revista de Psiquiatria Clínica.