Notícia

RuralBR

Estudo da USP indica que sucesso de biocombustíveis no país se deve a pioneirismo e contingências históricas

Publicado em 13 outubro 2013

Pesquisadores do Departamento de Botânica do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo (USP) concluíram que o sucesso do sistema de produção brasileira de biocombustíveis (a partir, principalmente, de cana-de-açúcar) é devido muito mais à iniciativa pioneira de montar um sistema industrial de produção do etanol do que à gramínea. Os resultados do estudo foram publicados na edição de setembro da revista BioEnergy Research.

- Concluímos que o sucesso da cana-de-açúcar no Brasil não está relacionado à planta em si, mas a contingências históricas - como sucessivas crises no preço do petróleo - que levaram o país a construir um sistema industrial de produção de etanol a partir da cana. Isso tornou o biocombustível mais eficiente do que os outros existentes no mundo hoje, baseados em outros tipos de matérias-primas - disse Marcos Silveira Buckeridge, um dos autores do estudo.

Para chegar a essas conclusões, os pesquisadores compararam a duração do ciclo de colheita, o rendimento, a quantidade de água, os nutrientes e pesticidas utilizados no cultivo - entre outros parâmetros agronômicos - de diferentes espécies vegetais utilizadas atualmente para a produção de biocombustível. Entre elas, a própria cana-de-açúcar, além da switchgrass (Panicum virgatum), o miscanto (Miscanthus spp), o sorgo doce (Sorghum vulgare), a beterraba açucareira (Beta vulgaris L.), o milho (Zea mays), o choupo (Populus ssp) e o salgueiro (Salix spp). A comparação agronômica revelou que a cana-de-açúcar tem um rendimento maior em termos de produção de biocombustível por litro por hectare do que o sorgo doce, o miscanto e outras gramíneas. A cultura, no entanto, requer mais água - e, ao contrário da switchgrass, do miscanto e do sorgo doce, tem ciclo de colheita maior e não é produzida durante o ano inteiro.

O sistema industrial no Brasil começou a ser desenvolvido nos anos 1930, quando também foi estabelecido um programa de desenvolvimento agronômico que tornou a planta altamente eficiente. Apesar disso, o desempenho agronômico da cana é inferior ao de outras matérias-primas testadas nos últimos anos em diferentes partes do mundo para essa finalidade.

AGÊNCIA FAPESP