Notícia

ABC - Academia Brasileira de Ciências

Estudo da Unicamp apresenta novo alvo para tratar esquizofrenia

Publicado em 07 agosto 2020

Por Camila Boehm, repórter da Agência Brasil - São Paulo

Leia a matéria de Camila Boehm para a Agência Brasil, publicada em 4/8:

Pesquisadores da Universidade de Campinas (Unicamp) confirmaram a relação da esquizofrenia com o distúrbio de outra célula cerebral, além dos neurônios. A doença está relacionada ao distúrbio em uma célula chamada oligodendrócito, responsável pela produção da bainha de mielina, que, por sua vez, acaba sendo gerada também com debilidade. O estudo sugere um novo alvo de tratamento para a doença.

Os pesquisadores usaram cérebros de pacientes mortos que tinham esquizofrenia e de pessoas mentalmente sadias, para estabelecer a base de comparação.

“Nosso laboratório já vem investigando a importância da bainha de mielina na esquizofrenia há muitos anos. Os medicamentos usados hoje para esquizofrenia vão atuar muito sobre os neurônios, que apesar de constituírem as células principais do cérebro, são apenas um dos tipos que temos”, disse o pesquisador Daniel Martins-de-Souza, professor de bioquímica, coordenador do Laboratório de Neuroproteômica da Unicamp e pesquisador do Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino.

Ele explicou que os medicamentos usados atualmente para tratar a doença têm efeito conhecido sobre os neurônios e que seu grupo de estudos chegou à conclusão de que eles atuam também sobre a bainha de mielina. No entanto, ressaltou que o efeito desses medicamentos não é tão satisfatório. “Ele tem ação sobre a bainha de mielina, mas, como não é feito para isso, o melhor era que estivesse direcionado para tal”.

“No desenvolvimento de novos medicamentos, deve-se considerar que aqueles que não atuarem sobre a bainha de mielina não vão funcionar. Eles precisam atuar sobre os neurônios e sobre a bainha de mielina também”, acrescentou. A partir desse estudo, foram identificadas as proteínas específicas envolvidas nos defeitos dessas células. As proteínas fazem com que a bainha de mielina funcione. “O que a gente traz são proteínas que podem ser novos alvos terapêuticos para um tratamento mais eficaz da esquizofrenia”.

Leia a matéria na íntegra.

Essa notícia também repercutiu nos veículos:
UOL BOL IstoÉ online IstoÉ Dinheiro online Agência Brasil Correio Braziliense online IstoÉ online Mato Grosso News Novo Cantu Notícias Por Falar em Saúde Dinheiro Rural online A Crítica (MS) online Planeta online Portal Mato Grosso Panorama Farmacêutico Diário de Pernambuco online O Fluminense online Verguia Bruno Sampaio Blog O Documento online Agrosoft Esporte na Rede MT Repórter Especial Consórcio Guaicurus Portal Lapada Lapada Es 1 Gazeta de Limeira online Momento MT Jornal da Franca Veja São Paulo online Sistema Costa Norte de Comunicação Metropolitano Agora Tudo Rondônia Jornal de Piracicaba online Portal Comunica AM! Portal Giruá RS Santo Ângelo RS Relevante News Portal de São Miguel das Missões Jornal Página do Estado A Província do Pará O Mato Grosso Jornal O Bom da Notícia Criativa On Line Pelo Mundo DF Portal Notícias Bahia Atual MT ISN Portal Goias.me Shafaqna (Índia) Blitz Amazônico Aqui Acontece Grupo RBP Mesquita Online Revistanet Folha de Pernambuco online O Vale online DHoje Interior online A Tribuna (ES) online Notícias ao Minuto Dinheiro Rural online Regional MT online Acontece Botucatu TV Mais Bioserv SMO Rio Grande TEM O Rondoniense Portal Piracicaba Hoje Jornal da Manhã (Marília, SP) online Roraima em Tempo online ZUG CGN AquiAgora.net O Imparcial (São Luís, MA) online Sim Notícias Beto Ribeiro Repórter Jornal das Alagoas online Acontece Louveira Jornal de Piracicaba online O Liberal (PA) online ID News Cassilândia Notícias Nilópolis Online JC Notícias (Pará de Minas, MG) O Londrinense Agência da Notícia Mídia Hoje Agora Notícias Brasil VoxMS Tribuna de Petrópolis Daynews TV Prefeito Expressão Rondônia RP10