Notícia

Agenciara (Araraquara)

Estudo da FUNDECITRUS comprova que manejo regional de greening é mais eficaz

Publicado em 02 julho 2010

Estudo desenvolvido pelo FUNDECITRUS mostrou que o manejo regional, realizado em conjunto por propriedades vizinhas, é mais eficaz que o manejo local, restrito a apenas um pomar.

O experimento, iniciado em 2005, trabalhou com duas situações diferentes na região de Araraquara: um pomar recém-plantado cercado por pomares que realizam o controle do vetor e a eliminação de plantas com sintomas de greening e outro pomar jovem cercado por pomares comerciais com alta incidência da doença.

Em ambos os casos, o estudo avaliou diferentes frequências de eliminação de plantas doentes e de pulverizações para o controle do inseto transmissor da doença, o psilídeo Diaphorina citri. Segundo o pesquisador do FUNDECITRUS Renato Bassanezi, responsável pelo estudo, a doença apareceu um ano mais tarde do que na área somente com controle local e cercada por pomares sem controle do greening.

"Outros benefícios do manejo regional do greening apontados pelo estudo foram a redução da população de psílideos, principalmente os infectivos, ou seja, aqueles capazes de transmitir o greening, e a redução da incidência da doença, que foi 15 vezes menor. Após quatro anos do plantio do experimento, 44% das plantas das parcelas com apenas controle local do greening apresentaram sintomas da doença, enquanto apenas 3% se tornaram sintomáticas nas parcelas localizadas sob manejo regional", explica Bassanezi.

Ele salienta ainda, que o estudo mostrou que o controle local reduz significativamente as infecções secundárias, que acontecem dentro da própria propriedade, porém não consegue combater, de maneira efetiva, as infecções primárias pelos psilídeos que chegam da vizinhança. "O manejo local pode não ser suficiente para controlar a doença se existirem fontes de inóculo - plantas doentes e psilídeos infectivos - próximas. Por isso, o manejo regional se torna essencial para uma política eficaz no combate ao greening", conclui.

A pesquisa sobre as diferenças entre o manejo local e o manejo regional do greening foi realizada pelo FUNDECITRUS, com apoio da FAPESP, FCPRAC - Flórida, CNPq e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA.