Notícia

Jornal Diário online

Estudantes de Emefs fazem lanche saudável

Publicado em 25 outubro 2005

Estudantes da terceira série das Emefs (Escolas Municipais de Ensino Fundamental) Paulo Freire, Antonio Ribeiro e Nivando Mariano dos Santos, fizeram ontem um lanche em um clube da cidade como parte de projeto que visa construir com os professores práticas de ensino a respeito da alimentação humana.
O lanche teve a participação de cerca de cem crianças, participantes do projeto desenvolvido pela docente da Unesp local, Viviane Galvão, com a assessoria do professor João Praia, da Faculdade de Ciências do Porto, em Portugal.
O projeto foi subsidiado pela Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo).
As atividades começaram em março deste ano, mês em que foi feita a primeira atividade prática, um lanche coletivo. Na época, os professores pediram para os alunos levarem os alimentos.
"Foi detectada preferência centradas em alimentos doces, industrializados. Apenas um aluno levou uma pêra, e que não foi consumida", disse Viviane.
Foram feitas visitas a supermercados, análise de rótulos e passada a idéia que a alimentação humana envolve aspectos biológicos, psicológicos e sociais.
Os alunos enviaram uma carta a uma fábrica de pirulitos sugerindo a mudança da embalagem, já que os ingredientes estavam escritos na parte do papel dobrada no cilindro e por esse motivo não podiam ser visualizados.
"A fábrica mandou uma carta agradecendo a sugestão, mudou a embalagem e mandou a nova à escola", disse.
No lanche de ontem, alunos levaram salada de frutas, sucos naturais, queijo branco, bolos, entre outros alimentos.
A diretora da Emef Paulo Freire, Fátima Alvares, disse que com o desenvolvimento do projeto os alunos começaram a aceitar melhor alguns alimentos, como verduras, legumes e frutas. "Eles perceberam que precisam de todos os alimentos e em uma proporção certa."
A aluna Layla de Oliveira, da Emef Paulo Freire, lembrou que a alimentação saudável consiste em não comer nem muito açúcar nem muito sal.
"Tem que ser balanceada. Depois do projeto passei a comer melhor, pesava 20 quilos e agora estou com 26 quilos. Não comia alface, tomate, feijão e agora estou comendo, sei que precisa."
A próxima fase do projeto consiste na divulgação dos dados para toda a rede municipal.