Notícia

Rede PSI

Estímulo à obesidade

Publicado em 15 janeiro 2007

Agência FAPESP

Estudo com cerca de 10 mil adolescentes destaca que abandonar café da manhã para comer na rua em lojas de fast food aumenta o risco de ganhar peso

A noção tradicional de que o café da manhã é a refeição mais importante do dia acaba de ganhar nova sustentação. Um novo estudo, feito nos Estados Unidos, investigou o costume cada vez mais comum entre adolescentes de não tomar o café da manhã e, depois, comer na rua, em lojas de fast-food.

De acordo com a pesquisa, publicada no Journal of Adolescent Health, o resultado direto dessa troca é um maior risco de ganhar peso. "Uma vez que a transição da adolescência para a vida adulta é uma fase com alto risco de se ganhar peso, nossa proposta foi investigar o papel do abandono do café da manhã e do consumo de fast-food", disse a principal autora do estudo, Heather Niemeier, do The Miriam Hospital.

Os pesquisadores analisaram dados do Add Health, levantamento nacional feito com estudantes. A amostragem inclui 9.919 indivíduos e foi composta por dados colhidos em duas fases: a primeira de abril a agosto de 1996 e a segunda de agosto de 2001 a abril de 2002. Na primeira fase, os jovens tinham entre 11 e 21 anos. Na segunda, os mesmos estavam com idades entre 18 e 27 anos.

"Verificamos que tanto o consumo de fast-food quanto o abandono do café da manhã aumentaram significativamente entre os dois momentos. Mais importante: os dois comportamentos estiveram associados com aumento de peso no período", disse Heather.

Durante o intervalo de cinco anos entre as duas fases, que representou a passagem da adolescência para a vida adulta, o número de participantes considerados acima do peso aumentou de 29% para 47%.

O consumo de fast-food subiu de 2 dias para 2,5 dias por semana. Na média, os entrevistados disseram tomar café da manhã de 4 a 5 vezes por semana durante a adolescência, mas apenas 3 vezes por semana ao se tornarem adultos.

Poucos nutrientes

De acordo com os pesquisadores, as mudanças podem ser explicadas por um aumento na independência e na responsabilidade pelo preparo das refeições vivida pelos adolescentes durante o período de transição.

"Fast-food representa uma refeição rápida, fácil e saborosa para os adolescentes. E à medida que entram na universidade ou começam a trabalhar, eles passam a considerar desnecessário o café da manhã. Entretanto, deixar de fazer essa primeira refeição pode levar a níveis mais elevados de fome durante o dia, aumentando as chances de comer demais ou de escolher alimentos mais pesados e que saciem o apetite rapidamente, mas que não necessariamente sejam mais nutritivos", disse Heather.

Segundo os cientistas, o estudo destaca a importância de encorajar adolescentes a tomar café da manhã regularmente e a escolher alimentos mais saudáveis, limitando o consumo de fast-food.

O artigo Fast food consumption and breakfast skipping: Predictors of weight gain from adolescence to adulthood in a nationally representative sample, de Heather Niemeier e outros, pode ser lido por assinantes do no Journal of Adolescent Health em journals.elsevierhealth.com/periodicals/jah.

Rede PSI Online — 15/01/2007