Notícia

Correio Riograndense

ESTANTE RESUMIDA

Publicado em 24 maio 2000

Estereótipos sexuais na educação: um manual para o educador, de Moema Toscano; Editora Vozes, 116p; R$ 13,00" (Discute alguns focos de resistência, no Brasil, que têm retardado a integração da mulher no sociedade urbano-industrial: o livro didático, o ensino profissionalizante e o tratamento dado nas escolas à educação física e ao desporte feminino, entre outros). Páginas de prazer: a sexualidade através da leitura no início do século, de Cláudio DeNipoti; Editora da Unicamp, 156 p.; R$ 8,90. (Doutor em História das Idéias pela Universidade Federal do Paraná, o autor analisa o universo dos freqüentadores da Biblioteca Pública do Paraná, de 1911 a 1918, seus dilemas existenciais e amorosos, receios e desejos em face da sexualidade, das mulheres, das doenças, dos encontros e desencontros do casamento... A atração do público, particularmente masculino, eram os manuais, de aconselhamento médico. DeNipoti analisa como se liam, no passado, livros sobre sexualidade). Os monólogos da vagina, de Eve Ensler; Bertrand Brasil, 128 p.; R$ 18,50. (Dá voz a um coro de histórias extravagantes, comoventes e integralmente humanas. A autora entrevista 200 mulheres em vários países e mostra ângulos da sexualidade feminina. O livro foi montado para o teatro com sucesso pelo mundo. No Brasil estreou em 7 de abril, no Rio, com direção de Miguel Falabella). Desenho mágico: poesia e política em Chico Buarque, de Adélia B. de Menezes; Atelier Editorial, 2ª ed. 248 p.; R$ 28,00. (Leitura ideológica de Chico Buarque. Traça paralelo entre a canção do compositor inegavelmente comprometido com o social e a História do Brasil dos tempos da ditadura militar. Apontando a relação Lírica/Sociedade, são recuperados os elementos da biografia de uma geração, descobrindo-se aí uma poesia que conta a história de seu tempo). Noites tropicais, de Nelson Motta; Editora Objetiva, 464 p.; R$ 39,50. (Memórias musicais de quem acompanhou o nascimento da Bossa Nova, jovem guarda, festivais da canção, tropicalismo, MPB, discoteca e rock; enfim, viveu intensamente os momentos da música brasileira entre 1958 e 1992. São episódios apaixonantes. com 63 fotos e um projeto gráfico (de Luiz Stein) sofisticado, narrados por um compositor, produtor, diretor artístico, critico musical e revelador de novos talentos. O leitor - participante do enredo - passa a conhecer a história recente da música pelo ângulo dos bastidores. O cinqüentenário da Declaração Universal dos Direitos do Homem, de Alberto do A. Júnior e Cláudia Perrone-Moisés (orgs.); Edusp/Fapesp 456 p.; R$ 35,00. (Organizado a partir da idéia da do desenvolvimento da Declaração e de seus desdobramentos no mundo atual. O primeiro grupo de artigos enfoca a crescente internacionalização das questões ligadas aos Direitos 'Humanos. No segundo grupo, a reativação da dicotomia clássica entre Direito Interno e Internado além do exame dos Direitos Humanos na ordem interna brasileira; estuda as origens do sistema internacional sobre Direitos Humanos e de como o Brasil participa desse sistema. O último conjunto tematiza a relação entre liberdade e igualdade, inclusive com uma análise histórica da propriedade e um debate sobre Estado, mercado e direitos).