Notícia

Correio Popular

Estado estuda a criação de canal de TV educativo

Publicado em 17 agosto 2007

Por Adriana Menezes, da Agência Anhangüera

Programação seria voltada para a formação acadêmica e elaborada nas universidades

O projeto de um canal de TV exclusivamente educativo, com conteúdo voltado para a formação acadêmica e elaborado pelas universidades públicas e privadas do Estado, está "nas mãos do governador (José Serra)", disse ontem o secretário de Ensino Superior, Carlos Vogt, empossado no cargo há uma semana no lugar do deputado José Aristodemo Pinotti, que deixou a secretaria desgastado por uma crise política gerada pela discussão sobre a autonomia das universidades públicas paulistas.

Chamado pelo atual secretário de Universidade Pública Virtual ou Universidade Aberta, o canal seria um dos quatro que a TV Cultura deverá prover a partir do início da operação da TV digital, prevista para começar no final do ano. Segundo Vogt, o projeto vem ao encontro de um dos maiores desafios da secretaria, de atender a demanda dos estudantes que querem ingressar na universidade pública no Estado, mas não encontram vagas.

As três universidades públicas estaduais (USP, Unicamp e Unesp) oferecem cerca de 18 mil vagas anuais, insuficientes para atender aos mais de 200 mil jovens, entre 18 e 24 anos, que concluem o Ensino Médio no Estado. As instituições de ensino superior privadas atendem a mais de 80% das matrículas.

"O projeto do canal educativo é uma forma, entre outras, de procurar aumentar a capacidade das universidades de atender a essa demanda crescente", disse Vogt. O ex-presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e ex-reitor da Unicamp acredita que o desafio da secretaria é buscar metodologias e formas de atuação que levem à ampliação dessa capacidade.

"É um programa grande e ambicioso, mas a secretaria tem de encarar esse desafio de atender a uma demanda social crescente", afirmou Vogt. A ampliação física das universidades não está descartada, mas o projeto do canal aberto educativo é uma forma de "lançar mão dos meios mais modernos de educação, como internet, TV e telefonia". "A idéia que está sendo discutida é um programa estadual de otimização da capacidade das universidades públicas de atuarem no sentido da ampliação da oferta do número de vagas", afirma o secretário.

Cursos a distância

O esboço geral do projeto foi entregue pessoalmente por Vogt ao governador. O programa prevê a participação efetiva das universidade públicas. "Não se trata da criação de uma nova TV, mas de um programa, em que os atores são as universidades públicas, não só as estaduais, mas também as federais que estão no Estado (três) e municipais (duas). Seria um pool de instituições com capacidade acadêmica, didática e de formulação de conteúdo para constituir uma programação de cursos a serem oferecidos, com acesso via internet, via televisão, via telefonia e via atividade presencial também", explica o secretário, que defende a educação a distância.

A TV Cultura deverá manter, portanto, quatro canais simultâneos — "ou até seis", disse o secretário. "Esse seria o momento da TV Cultura retomar sua vocação educativa e constituir um canal dedicado exclusivamente à educação", afirma. O projeto está em andamento e já chegou aos reitores das universidades. Sobre a aprovação e realização, Vogt disse que "depende de muita coisa".

Governo vincula a Fapesp à Secretaria de Ensino Superior

Nos próximos dias, o governador José Serra (PSDB) deverá promulgar o decreto que vincula a Fapesp à Secretaria de Ensino Superior. Segundo o secretário Carlos Vogt, a vinculação é o "resultado da aspiração da comunidade acadêmica". A questão foi um dos elementos da tensão gerada entre universidades públicas paulistas e a nova secretaria, ao longo do primeiro semestre, que culminou na saída do secretário José Aristodemo Pinotti. Para Vogt, o saldo da crise entre a comunidade acadêmica e o Estado foi positivo, concluído com o decreto declaratório do governador, do dia 30 de maio, onde "tudo que não estava explícito sobre a autonomia ficou esclarecido".

A Fapesp, criada em 1962, passa a ser vinculada à secretaria, junto com as universidades públicas paulistas. Seu sistema de autonomia financeira serviu de modelo para o decreto de 1989 que estabeleceu a autonomia financeira das três universidades públicas paulistas — USP, Unicamp e Unesp.