Notícia

UNICAMP - Universidade Estadual de Campinas

Estado de São Paulo terá R$ 1 milhão para projetos de Extensão Universitária

Publicado em 07 agosto 2009

O Ministério da Cultura (Minc) destinou ao Estado de São Paulo, para 2009, R$ 1 milhão, no âmbito do Programa de Extensão Universitária (Proext Cultura). As universidades públicas federais, estaduais e municipais do Estado poderão apresentar um número ilimitado de projetos que, após aprovados por meritocracia, receberão, no máximo, R$ 20 mil por projeto. Do recurso orçamentário destinado a cada projeto, 30% poderão ser utilizados na aquisição de equipamentos e 70% com despesas de custeio - bolsas para estudantes e agentes culturais. A informação foi dada pelo coordenador do Proext Cultura do Estado de São Paulo, Marcio Pozzer, durante oficina realizada nesta sexta-feira (7), no Centro de Convenções da Unicamp. Os representantes do Minc vieram à Universidade a convite da Pró-Reitoria de Extensão e Assuntos Comunitários (Preac) para explicar detalhes de como será o edital regional do Proext Cultura 2009. A expectativa, de acordo com os representantes do Ministério, é que o edital seja publicado no próximo mês de setembro.

Pozzer explicou que, desde 2007, o Minc tem observado que São Paulo é um estado muito importante na quantidade e qualidade dos projetos submetidos, em relação à produção de cultura e extensão universitária. "Por isso escolhemos São Paulo para realizar um piloto de Proext regional", disse. Trata-se, segundo ele, de um edital que financia apenas projetos nas universidades públicas federais, estaduais e municipais.

O coordenador fez questão de ressaltar que o pró-reitor Mohamed Habib tem sido um parceiro importante na consolidação dessa política. "O professor é um entusiasta da idéia e, além da divulgação na Unicamp, ele ajudou a articular isso no Estado como um todo", afirmou. Pozzer referiu-se à reunião que ocorrerá na tarde desta sexta-feira (7) com todos os pró-reitores de Extensão de universidades públicas do Estado de São Paulo. "Precisamos pensar como conversar com as agências de fomento, como a Fapesp e o CNPq, e ter uma política de valorização da extensão universitária", acrescentou Pozzer.

Para Mohamed, ações como essa oficina fazem parte de parcerias que a Preac está construindo com alguns ministérios do governo federal para dar às atividades de extensão universitária o espaço necessário para que essas atividades possam chegar até a própria sociedade. "Nos últimos quatro anos fomos uma das universidades mais reconhecidas em participação de editais e aprovação de projetos. Tivemos recursos recebidos, através de diferentes ministérios do governo federal, de volume elevado para grandes projetos de impacto social, como o das comunidades quilombolas e o de educação social e ambiental", afirmou o pró-reitor.