Notícia

ES Brasil online

Espírito Santo recebe instituto de pesquisa em sistemas autônomos

Publicado em 15 fevereiro 2021

A equipe responsável pelo Instituto de Inteligência Computacional Aplicada (I²CA) já desenvolveu o carro autônomo IARA, o avião Legacy 500 e o caminhão ART.

Por Mike Figueiredo

Começa a funcionar em março de 2021, na Capital capixaba, o Instituto de Inteligência Computacional Aplicada (I²CA). O objetivo é desenvolver pesquisas de ponta, com foco em veículos e outros sistemas autônomos inteligentes. A implantação é resultado da parceria entre instituições públicas e privadas.

O I²CA estará localizado no campus de Goiabeiras da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), a partir da estrutura do Laboratório de Computação de Alto Desempenho (LCAD). O local é conhecido nacionalmente pelo desenvolvimento do carro autônomo IARA (Intelligent Autonomous Robotic Automobile), já testado em viagem de Vitória a Guarapari.

A coordenação do instituto ficará a cargo do professor Alberto Ferreira de Souza, do departamento de Informática da Ufes. O pesquisador é reconhecido internacionalmente na área de inteligência artificial e tecnologia de veículos autônomos. “É a realização de um sonho. O I²CA vai colocar o Espírito Santo em um outro patamar de desenvolvimento, não só no nosso país, mas para o mundo”, considera.

Ufes e Embraer testam primeira aeronave autônoma

Carro autônomo viaja de Vitória a Guarapari

O I²CA é fruto da parceria entre Ufes, Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Espírito Santo (Fapes), Associação Capixaba de Tecnologia (ACT!ON), Federação das Indústrias do Espírito Santo (Findes), com participação das empresas ArcelorMittal e Vale.

A ideia de criar o instituto começou quando a Fapes e a ACT!ON estimularam o professor Alberto a participar de uma chamada pública da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). O edital foi lançado para contemplar quatro instituições, sendo duas do estado paulista e outras duas de qualquer lugar do Brasil.

Pesquisa e inovação

Segundo o coordenador do I²CA, professor Alberto Ferreira de Souza, o instituto conta com o Conselho Consultivo Internacional (CCI). Fazem parte dele cinco membros entre referências internacionais nas áreas de cognição visual artificial, mobilidade autônoma, interação autônoma inteligente, inteligência artificial, robótica móvel e sistemas de transporte inteligentes.

O professor e pesquisador da Ufes Luciano Raizer Moura, vice-presidente da ACT!ON, levou ao instituto a proposta para desenvolver pesquisas relacionadas às tecnologias para a fábrica autônoma. O foco é nas pequenas e médias indústrias.

“O Centro Tecnológico da Ufes tem realizado um trabalho de aproximar a academia das dores das indústrias do Estado. O I²CA vai reunir os esforços e fomentar uma série de soluções para o mercado. Inclusive, algumas das demandas já conhecidas pelos pesquisadores da Ufes estão dentro da atuação do instituto. Já temos o carro autônomo, o avião autônomo, o caminhão autônomo e, agora, vamos ter a fábrica autônoma”, comemora Luciano.

Após ser implantado no carro autônomo IARA, o sistema de software desenvolvido foi adaptado para um avião a jato comercial da Embraer. O Legacy 500 foi capaz de realizar o primeiro taxiamento autônomo de avião de passageiros da história. O mais novo produto derivado do sistema do IARA foi o projeto do caminhão autônomo ART (Autonomous Robotic Truck).

O Instituto de Inteligência Computacional Aplicada contará com a atuação de pesquisadores da área tecnológica que desenvolverão estudos, principalmente:

– na área de Cognição Visual Artificial, investigando mecanismos de hardware e software para a emulação de aspectos relevantes da cognição visual humana ou a compreensão do mundo e das ideias por meio da visão.

– na área de Mobilidade Autônoma, investigando mecanismos de hardware e software para a emulação da autonomia de movimento humana para tornar autônomos veículos e outros sistemas.

– na área de Interação Autônoma Inteligente, investigando mecanismos de hardware e software para a emulação de interações que humanos são capazes de realizar uns com os outros ou com objetos e máquinas do mundo físico ou virtual.