Notícia

O Popular (Goiânia, GO)

Esperança contra as doenças da tireóide

Publicado em 20 agosto 2000

Estudos para identificar na estrutura genética de humanos os genes que causam as doenças da tireóide, entre elas o câncer, estão sendo desenvolvidos por especialistas que integram o projeto Genoma em Goiás. A oncologista Maria Paula Curado afirma que o projeto, articulado com vários grupos de pesquisadores em outros países, se encontra adiantado, examinando o seqüenciamento dos genes que provocam determinados tipos de patologias. O seqüenciamento significa, esclarece Maria Paula, separar e identificar os genes que originam essas doenças nas pessoas. Numa etapa posterior, explica ela, serão realizados os testes para confirmar se os genes isolados pelos pesquisadores são mesmo os que causam as patologias da tireóide. O procedimento inclui exames de sangue, nos quais se observa se houve alterações no gene ligado ao câncer da tireóide e outras enfermidades que ocorrem nesse órgão. "A grande vantagem do estudo é que teremos, num futuro próximo, as condições para prevenir e para tratar, ainda no início, um câncer ou outro mal que ataca a tireóide", diz a médica. ORIENTAÇÃO Detectado o gene portador da enfermidade, o paciente pode ter orientação adequada na fase inicial do problema. "Conhecida a situação, o médico pode sugerir a operação ou o tratamento com hormônio", frisa, salientando que essa técnica vai beneficiar principalmente pessoas com histórico de câncer na família. No Brasil, que atua no projeto com os grupos que investigam as enfermidades da tireóide e o câncer de mama, os trabalhos começaram na Fundação de Apoio à Pesquisa (Fapesp), de São Paulo, e no Instituto Ludwig, também uma entidade paulista que apóia a pesquisa. Em Goiás, os estudos estão sendo realizados pelo Departamento de Cirurgia, Cabeça e Pescoço do Hospital Araújo Jorge. Maria Paula Curado diz que as pesquisas estão avançadas e que, no máximo em dois anos, seus resultados práticos já poderão ser colhidos, facilitando a cura de doenças da tireóide.