Notícia

Mar Sem Fim

Espécies de madeira em extinção e ainda vendidas

Publicado em 01 outubro 2020

Por João Lara Mesquita

Pesquisadores da Universidade Federal Fluminense – UFF e do Instituto De Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro publicaram em conjunto um estudo na revista Journal for Nature Conservation em junho de 2020 mostrando que espécies de madeiras em extinção continuam a serem vendidas. A notícia nos chega através da Pesquisa FAPESP. Espécies de madeira em extinção e ainda vendidas.

Espécies de madeira em extinção e ainda vendidas

Por falar nisso, caro leitor, refaço uma pergunta que temos feito aos especialistas na Amazônia que entrevistamos em nosso podcast: “Quantas pessoas de suas relações sociais se preocupam com a origem da madeira quando a compram?”

A madeira é tão presente em nossa vida como o plástico. A diferença é que por mais que tentemos, é quase impossível uma pessoa se livrar de plástico. Quase tudo que compramos nos é oferecido em embalagens de plástico, ou são feitos deste material.

Uma caneta, ou uma escova de dentes, uma seringa ou um recipiente de álcool em gel. Todos estes objetos, e centenas de outros, ou são feitos de plástico ou têm partes feitas com o material.

A madeira também cerca a nossa vida cotidiana. Basta olhar em volta da sala de sua casa para vermos a onipresença da madeira. Da poltrona que sentamos, à mesa em que nos alimentamos, das prateleiras na parede, aos tacos no chão, ou a cama onde dormimos.

Espécies de madeira e o necessário certificado de origem do produto

Mas, ainda que o assunto meio ambiente domine hoje as redes sociais e não saia das manchetes da mídia, quem de nós se preocupa com a origem do produto?

A diferença do plástico que entope os oceanos, mata a vida marinha e cresce nos aterros mundo afora, para a madeira; é que a esta ainda pode ter a efetiva participação do consumidor. Basta exigir o certificado de origem ao comprar o produto.

Quem de nós faz uso do propalado e pouco seguido conceito do ‘consumo consciente’?

Gostaria de poder fazer a mesma pergunta a todos que se manifestam indignados pelos incêndios na Amazônia e Pantanal nas redes sociais. Mas mesmo sem fazê-la, não tenho dúvidas das respostas. Só esta omissão generalizada justifica a pesquisa que hoje comentamos.

Araucária lidera a lista de 38 espécies

Ainda recentemente fizemos matéria para mostrar que esta belíssima árvore que se confunde com a paisagem brasileira, está a um passo de acabar: Araucárias, símbolo do Paraná ameaçadas de extinção.

Pois saiba que a araucária espécie com cerca de 200 milhões de anos, árvore centenária, algumas atingindo até 500 anos, encabeça a lista. “A araucária, uma espécie criticamente ameaçada, e a itaúba, classificado como vulnerável, foram as espécies mais vendidas, respectivamente com 3,2 milhões de m3, e 789,5 mil m3 (Pesquisa feita entre 2012 e 2016).”

Código Florestal Brasileiro

De acordo com o código, o corte de vegetação com espécies ameaçadas de extinção está condicionado à autorização prévia do órgão estadual competente, e à adoção de medidas mitigadoras que assegurem a conservação da espécie. O mesmo acontece com a exploração de florestas nativas que exige licenciamento pelo órgão competente.

Mas isso é a teoria, a prática, é outra. O biólogo Arno F. Brandes, da UFF, um dos autores do estudo declarou à FAPESP: “Teoricamente, se as madeiras estão no sistema DOF – Documentos de Origem Florestal (que foi a base da pesquisa), é porque tiveram autorização para exploração.”

Agora seria o momento de questionar o Ibama e outros responsáveis do MMA para saber como as aruacárias, por exemplo, conseguiram o DOF. Mas desde que Ricardo Salles assumiu, proibiu seus funionários de darem entrevistas. A FAPESP questionou ambos e não obteve resposta.

A pesquisa mostra que do total comercializado entre 2012 e 2016, havia 2.214 espécies de árvores. Deste total, 38 eram árvores ameaçadas de extinção. E entre as ameaçadas, o volume total vendido foi de 6 milhões de metro cúbicos de madeira, o equivalente a 10% do total registrado nos cinco anos do estudo.

Incoerências do Ibama e MMA

O site mongaby ainda lembrou que “as espécies incluídas na lista do Ministério do Meio Ambiente (MMA) (com as duas citadas) têm sua exploração proibida, exceto em casos raros, como para pesquisa científica.”

E neste caso que abordamos 38 espécies ameaçadas foram cortadas toradas, e vendidas. Como?

Sisnama

Trata-se de Sistema Nacional de Meio Ambiente, que “regula a posse e o transporte de todos os produtos florestais comerciais dentro do território brasileiro. A ferramenta de rastreamento da rede de fornecedores, que permite monitorar a extração de árvores, o transporte e a exportação, é conhecida como Documento de Origem Florestal (DOF), uma licença obrigatória que registra o nome, volume, origem, destino e uso comercial dos produtos florestais.”

E mesmo assim continua a exploração e a venda. Mais um motivo para você, consumidor, e abrir os olhos e fazer uso dos instrumentos que temos, no caso, o certificado de origem da madeira.

Imagem de abertura: https://biologo.com.br/

Fontes: https://revistapesquisa.fapesp.br/madeiras-em-extincao-mas-vendidas/?fbclid=IwAR1Rmj6riiDF8Jf0OMVoT8oyzBkZfv0-M1SQafp3QB0dTFvSAylvc2Qpdww; https://brasil.mongabay.com/2020/07/38-especies-de-arvore-em-perigo-de-extincao-sao-comercializadas-de-forma-legal-no-brasil/.