Notícia

Jornal de Vinhedo online

Especialistas discutem novas tecnologias para combater doenças urológicas

Publicado em 05 novembro 2008

A análise mais detalhada dos diagnósticos por imagens radiológicas e os estudos patológicos dos tecidos podem fornecer uma série informações para auxiliar os urologistas na definição do melhor e mais adequado tratamento aos pacientes com doenças do trato urinário. Além disso, as novas tecnologias, como a robótica e a utilização de laser possibilitam que as cirurgias sejam menos invasivas e permitam a recuperação mais rápida dos pacientes. Para conhecer as novidades desses diagnósticos e extrair deles o máximo de informações, especialistas internacionais estarão participando do Simpósio Internacional de Urologia, Radiologia e Anatomia Patológica, nos dia 7 e 8 de novembro, no Hotel Quality, em Itupeva (SP).

Entre as novidades a serem apresentadas no Simpósio estão o uso de novos medicamentos como e toxina botulínica para a redução dos distúrbios urinários; a possibilidade de adiamento de 30% das cirurgias de câncer de próstata graças aos diagnósticos mais precisos; os testes da implantação de marca passo como solução para bexiga hiperativa; a rápida identificação de tumores iniciais por meio de diagnóstico de imagens, evitando a extração do rim e a utilização de aparelhos mais flexíveis e do laser para o tratamento dos cálculos renais.

40 anos de Urologia da Unicamp

Promovido pela Disciplina de Urologia e pelo Departamento de Anatomia Patológica da Unicamp em conjunto com o Centro Radiológico de Campinas em comemoração aos seus 40 anos, o evento pretende promover a integração, a troca de experiências e o esclarecimento de dúvidas criando interfaces que ampliem o conhecimento sobre os diagnósticos, tratamentos e curas das doenças urológicas.

Para tanto, foram convidados mais de vinte especialistas brasileiros e três internacionais; o especialista em cirurgias minimamente invasivas e em endourologia, Manoj Monga, (Associate Professor Department of Urologic Surgery Minnesota University); e os especialistas em robótica Vipul Patel (diretor do Robotic and Minimally Invasive Urologic Surgery do Institute Florida University) e Kenneth Palmer, (coordenador do Robotic do Institute Florida University).

Entre os temas debatidos no Simpósio estão: o aumento benigno da próstata e o câncer de próstata; a bexiga hiperativa, (aumento da necessidade de urinar e perda involuntária de urina), o câncer renal e a litíase (conhecida popularmente como calculo ou pedra nos rins).

Referência internacional

Em seus 40 anos de atividades, a disciplina Urologia da Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp tornou-se referência nacional e internacional. Seus professores já publicaram mais de 530 artigos em revistas científicas indexadas e editaram 18 livros, utilizados como referência por outras universidades. A Disciplina formou mais de 50 residentes de Urologia que atuam, hoje, em todo o Brasil. O mestrado e o doutorado formaram, respectivamente, 35 mestres e 21 doutores.

O coordenador do Simpósio, o médico urologista Carlos Arturo Levi D’Ancona destaca que, desde 1968, quando a disciplina foi implantada no curso de graduação, a Urologia da Unicamp dedicou-se em aumentar a sua área de influência e atuação.

Tanto que inúmeros projetos, apoiados pelo CNPq e pela FAPESP, foram desenvolvidos ao longo dos anos, entre eles o conector uretral, um aparelho para verificar como está o funcionamento da bexiga. Resultado de pesquisas do próprio D’Ancona e desenvolvido em parceria com o Centro de Bioengenharia da própria Unicamp, o conector dispensa o uso de sonda, diminuindo a dor e o risco de infecção para o paciente, além de agilizar e facilitar o diagnóstico. O aparelho é adaptado na abertura da uretra, evitando o uso de métodos tradicionais invasivos, como as sondas utilizadas neste tipo de exame. O conector uretral foi patenteado há cerca de dois anos e encontra-se em fase de testes.

Em 2007, quando assumiu a coordenação da disciplina de Urologia, o médico Carlos Arturo Levi D’Ancona implantou o Centro de Estudos Urológicos de Campinas. Sob a coordenação do professor Nelson Rodrigues Neto Junior, foram criadas três novas áreas: a urologia feminina, a urooncologia e a uroneurologia.