Notícia

Mundo N

Especialistas avaliam célula de etanol como opção mais sustentável para veículos elétricos no Brasil

Publicado em 24 maio 2021

Por admin2

Tecnologia está em desenvolvimento por montadora japonesa em parceria com universidades brasileiras. Modelo em teste desenvolve em média 20 km por litro de etanol e reduz a emissão de gases de efeito estufa em 90%. Tema será debatido na Biofuture Summit e BBEST – Brazilian Bionergy Science and Technology Conference.

O automóvel elétrico tipo plug in, movido a baterias recarregáveis, um dos padrões que vem sendo adotado pela indústria automobilística americana e europeia, não é considerado a melhor alternativa para os países em desenvolvimento, em especial para os que são produtores de etanol. Especialistas consideram que, entre as atuais tecnologias em desenvolvimento, outras atendem melhor a especificidade de países como o Brasil, a exemplo do modelo de propulsor elétrico movido a hidrogênio gerado a partir de célula de etanol.

Para o especialista em estudos energéticos do Núcleo Interdisciplinar de Planejamento Energético (NIPE) da Unicamp, Luiz Augusto Horta Nogueira, o veículo elétrico a hidrogênio gerado a partir de célula de etanol apresenta uma série de vantagens para o Brasil e outros países produtores de etanol quando comparado ao modelo elétrico à bateria.

“Temos aspectos técnicos e estratégicos envolvidos nessa questão”, pondera. Segundo Nogueira, as questões técnicas dizem respeito à maior autonomia, uma vez que o abastecimento do veículo com célula de etanol será de forma idêntica aos veículos movidos à combustão, ou seja, parar no posto, encher o tanque de etanol e seguir adiante, sem ter de perder tempo recarregando as baterias. “Quando há previsibilidade de trajeto diário, o veículo elétrico tipo plug in pode até ser uma opção. Mas quando pensamos em grandes distâncias ou imprevistos, o abastecimento elétrico pode se tornar um problema”.

“Quanto à estratégia, o Brasil é líder em tecnologia na produção de etanol a partir da cana. Vamos virar as costas a todo investimento, toda expertise e toda tecnologia desenvolvida nos últimos quarenta anos?”, indaga. “Seria uma insensatez fazer isso e ainda precisamos de considerar todo o investimento que teremos de fazer na infraestrutura da rede elétrica”, considera. Estudos da Empresa de Pesquisa Energética, do Ministério das Minas e Energia, apontam que a estruturação da rede elétrica para abastecimento automotivo custaria ao país algo em torno de R$ 1,2 trilhão, cerca de 16% do PIB de 2020.

Para Nogueira, o Brasil deveria optar por outras opções de mobilidade que não o veículo elétrico à bateria. “Veículos híbridos, com motor elétrico e à combustão trabalhando conjuntamente, podem ser uma boa opção, mas o veículo elétrico utilizando a eletricidade gerada em uma célula de combustível a hidrogênio, produzido no próprio veículo a partir de etanol, é mais eficiente”, aponta.

Um caminho possível

Nenhuma tecnologia de mobilidade deve ser descartada, todas podem conviver e ser utilizadas de acordo com necessidades específicas de cada local e de cada país. Esse é o ponto de vista defendido por Ricardo Simões de Abreu, engenheiro, consultor da Bright Consulting e especialista em bioenergia.

“Quando avaliamos as tecnologias em termos de emissões de CO2, tanto veículos híbridos movidos à etanol, quanto veículos elétricos à bateria, ou mesmo motores elétricos movidos à hidrogênio têm um índice de emissões bem inferior aos movidos à gasolina. Se a questão for reduzir emissões para respeitar acordos climáticos, todas essas tecnologias contribuem para atender a essa demanda”, explica.

Porém, segundo o consultor, a opção pela tecnologia de mobilidade depende do tipo de uso ou da estrutura instalada. “Veículo elétrico à bateria pode ser uma boa opção urbana, em especial para transporte público. No caso de outros usos, a geração interna de eletricidade a partir do hidrogênio, com abastecimento em postos de combustíveis, pode se configurar uma opção mais adequada”, argumenta. Segundo ele, no caso do Brasil, que tem o setor de etanol bem desenvolvido, os híbridos a etanol ou a célula de etanol são opções muito interessantes, sendo que a célula de etanol tem maior eficiência. Ele frisa que a rede de distribuição já está pronta, o País tem grandes pesquisadores na área e, em havendo investimento, o resultado será uma tecnologia mais adequada à realidade nacional.

Tecnologia promissora

A célula de etanol para mobilidade já está em desenvolvimento no Brasil. USP e a Unicamp estão participando do desenvolvimento dessa tecnologia em parceria com uma montadora japonesa, além de outras iniciativas. O modelo em desenvolvimento retira o hidrogênio do etanol e depois o utiliza para gerar energia elétrica, que aciona o motor elétrico e impulsiona o veículo. Toda a tecnologia necessária para a mobilidade vai embarcada. O abastecimento é feito com etanol nos postos de combustíveis. Para os especialistas, o etanol é uma excelente opção porque é obtido a partir de fontes renováveis e sua molécula possui muito hidrogênio. “Etanol é praticamente um cacho de hidrogênio”, brinca Abreu.

Para Nogueira, do NIPE, os primeiros resultados do uso das células de etanol em carros elétricos são muito promissores. “O rendimento é muito superior ao dos carros a combustão movidos a álcool ou mesmo híbridos, sendo que os testes iniciais indicam que o veículo pode fazer, em média, 20 km por litro de etanol. Além disso, a emissão de gases de efeito estufa é 90% menor por quilômetro rodado quando comparado aos veículos movidos à gasolina”, diz.

Passivo ambiental

A tecnologia de carros elétricos movidos à bateria pode parecer limpa, mas não é bem assim. Há dois importantes aspectos que devem ser considerados, alertam os especialistas: a origem da energia elétrica utilizada na recarga e o descarte das baterias velhas. “Do ponto de vista ambiental, não adianta muito ter um veículo elétrico abastecido com energia gerada a partir de carvão, diesel ou outro combustível fóssil. Há um ganho de eficiência, mas na prática estamos apenas mudando o local da fonte poluidora”, explica Nogueira. Ele lembra ainda que os metais hoje utilizados para a produção de baterias geram um importante passivo ambiental de reciclagem.

Sobre o Biofuture Summit II / BBest 2020-21: O Biofuture Summit é a principal conferência de debate e troca de experiências em políticas públicas promovida pela Plataforma para o Biofuturo, uma coalizão inter-governamental para promoção da bioeconomia de baixo carbono. Para sua segunda edição, o Biofuture Summit juntou-se à conferência científica Brazilian Bioenergy Science and Technology (BBest), para realizar um evento conjunto trazendo à luz o que há de mais avançado em políticas, financiamento, tecnologias, e ciência relacionadas à bioenergia e à bioeconomia em suas diversas formas. Participam do evento representes de governos, órgãos internacionais, setor empresarial e pesquisadores de mais de 30 países. A Biofuture Summit II/BBEST2020-21 será totalmente online e acontece entre os dias 24 e 26 de maio. Mais informações acesse https://bbest-biofuture.org

Sobre a Plataforma para o Biofuturo: A Plataforma para o Biofuturo é uma iniciativa intergovernamental, da qual participam várias partes interessadas. Foi projetada para agir pelas mudanças climáticas e apoiar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, com uma coordenação internacional pela promoção bioeconomia sustentável de baixo carbono. Foi lançada em Marrakesh nas negociações climáticas da COP 22, em novembro de 2016. Desde 1º de fevereiro de 2019, a Agência Internacional de Energia (IEA) é o Facilitador (Secretariado) da iniciativa. A Plataforma para o Biofuturo tem vinte países membros: Argentina, Brasil, Canadá, China, Dinamarca, Egito, Finlândia, França, Índia, Indonésia, Itália, Marrocos, Moçambique, Holanda, Paraguai, Filipinas, Suécia, Reino Unido, Estados Unidos e Uruguai. Como uma iniciativa da qual participam múltiplas partes interessadas, várias organizações internacionais, universidades e associações do setor privado também estão envolvidas e engajadas na condição de parceiros oficiais. Para obter mais informações, visite: www.biofutureplatform.org.

Sobre o BIOEN: o BIOEN, Programa de Pesquisa em Bioenergia da FAPESP, visa articular pesquisa e desenvolvimento (P&D) entre entidades pública e privadas, utilizando laboratórios acadêmicos e industriais para avançar e aplicar o conhecimento nas áreas relacionadas à bioenergia no Brasil. As pesquisas abrangem desde a produção e processamento de biomassa até tecnologias de biocombustíveis, biorrefinarias, sustentabilidade e impactos – http://bioenfapesp.org

Sobre a Apex-Brasil: A Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) atua para promover os produtos e serviços brasileiros no exterior e atrair investimentos estrangeiros para setores estratégicos da economia brasileira. Para isso, a Apex-Brasil realiza ações diversificadas de promoção comercial que visam promover as exportações e valorizar os produtos e serviços brasileiros no exterior, como missões prospectivas e comerciais, rodadas de negócios, apoio à participação de empresas brasileiras em grandes feiras internacionais, visitas de compradores estrangeiros e formadores de opinião para conhecer a estrutura produtiva brasileira entre outras plataformas de negócios que também têm por objetivo fortalecer a marca Brasil. A Agência também atua de forma coordenada com atores públicos e privados para atração de investimentos estrangeiros diretos (IED) para o Brasil com foco em setores estratégicos para o desenvolvimento da competitividade das empresas brasileiras e do país – https://portal.apexbrasil.com.br/

Evocar Comunicação e Conteúdo

Essa notícia também repercutiu nos veículos:
Valor Econômico Valor Econômico online Valor Econômico online BOL O Globo online Jornal Dia Dia Canal – Jornal da Bioenergia online Canal da Cana Jornal Dia Dia Portal Macaúba Canal da Cana Canal – Jornal da Bioenergia online Quimiweb Revista Digital Oil & Gas Brasil Notícias Agrícolas Sou Ecológico Jornal Dia Dia Portos e Navios online IDEA UDOP - União dos Produtores de Bioenergia InfoSolar Minas Petro UDOP - União dos Produtores de Bioenergia Portal Canaonline Espaço Ecológico no Ar JorNow Jornal Dia Dia Canal da Cana Sindicombustíveis Bahia - Sindicato do Comércio de Combustíveis, Energias Alternativas e Lojas de Conveniências do Estado da Bahia Sindiposto (GO) Madeira Total IDEA UDOP - União dos Produtores de Bioenergia TN Petróleo online UDOP - União dos Produtores de Bioenergia Notícias Agrícolas IDEA JorNow IDEA Meio Filtrante online SEGS Portal Nacional de Seguros & Saúde SEGS Portal Nacional de Seguros & Saúde Brasil Energia O Nortão online Siamig Siamig Quimiweb Revista Digital Oil & Gas Brasil JorNow Quimiweb TV Terra Viva Correio de Araxá online O Nortão online Jornal do Comércio do Ceará online Quimiweb Inovação Tecnológica Jornal da Cidade (Bauru, SP) online Portal Canaonline TN Petróleo online Blog A Crítica Canal da Cana Finanzen (Áustria) PR Newswire (EUA) Portal Neo Mondo Investe São Paulo LatinFinance (EUA) E&P Brasil Revista Cenarium online Mundo e Meio Finanzen.ch (Suíça) Benzinga (EUA) Agência Brasil China Notícias Agrícolas PR Newswire (Reino Unido) TMCnet.com (EUA) WFMZ-TV 69 News (EUA) APROBIO - Associação dos Produtores de Biodiesel do Brasil Yahoo Finance (EUA) Plantão News (MT) Brazilian Times (EUA) Portal CanaMix E&P Brasil Revista Analytica online Funverde Um Só Planeta Saense Jornal Dia Dia Portal do Agronegócio Jornal Dia Dia Revista Digital Oil & Gas Brasil Quimiweb Brasil Amazônia Agora Condor Agronegócios Notícias Agrícolas Campo e Negocios Campo e Negocios