Notícia

Jornal Primeira Página

Especialista vislumbra pólo de biotecnologia e fármacos

Publicado em 14 fevereiro 2010

Uma série de investimentos públicos e privados e valias parecerias vão, dentro de alguns anos, consolidar São Carlos deverá se consolidar em breve uma grande pólo também da indústria de biotecnologia e farmacêutica. A análise é do professor-doutor da USP, O pesquisador José Benedito Sacomano, ligado há 40 anos à pesquisa científica e à análise da economia são-carlense e suas cadeias produtivas.

Ele afirma que este processo já está em estágio avançado devido a investimentos maciços em institutos de pesquisa da USP e UFSCar e investimentos da iniciativa privada.

Especializado em processos industriais, Sacomano disse que não se surpreende com os investimentos que estão sendo feitos pelo Governo Federal, através do Ministério da Ciência & Tecnologia para patrocinar, com apoio da Fapesp (Fundação de Apoio à Pesquisa do Estado de São Paulo) pesquisas de ponta nos institutos de Ótica e Fotônica; Biotecnologia Estrutural e Química Medicinal em Doenças Infecciosas; Sistemas Embarcados Críticos; Hymenoptera Parasitóides da Região Sudeste Brasileira, entre outros.

No total, serão R$ 520 milhões para pesquisas para 101 INCTs (Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia) no Brasil, sendo que trinta e cinco deles estão no Estado de São Paulo e sete deles em São Carlos.

O Instituto de Física vai trabalhar na pesquisa de medicamentos contra doenças tropicais, como a malária e leishmaniose - para as quais hoje não existe medicamento. Para tanto, ele terá R$ 4,8 milhões do Governo Federal

O professor José Benedito Sacomano: "A pesquisa será utilizada para ampliar a prevenção" medicamentos contra doenças tropicais, como a malária e leishmaniose - para as quais hoje não existe medicamento. Para tanto, ele terá R$ 4,8 milhões do Governo Federal.

O professor Sacomano diz que pesquisas na área de saúde são inovadoras. "Em 2005 concedi uma entrevista onde falei que São Carlos, num futuro próximo., seria um dos maiores centros de produção científica e tecnológica nas áreas de medicina, fármacos, física médica e equipamentos médicos. Fico muito feliz que tudo isso está sendo consolidado. Agora teremos também a Cidade da Energia e o Centro de Pesquisas da Petrobrás dentro da UFSCar. Evidentemente estamos preparados para mais um grande salto quantitativo e qualitativo nas pesquisas de São Carlos..As fronteiras das pesquisas de São Carlos foram amplamente ampliadas nas áreas tradicionais, que são as exatas e no agro-negócio, e também inovaram em áreas recentes como a medicina"!

As pesquisas com próteses feitas com óleo de mamona do professor Gilberto Chierice, do aparelho de ressonância magnética de Horário Panepucci, de tratamento de câncer á base de laser promovido por Vanderlei Bagnato, entre outros, foram precursores deste movimento " Isso tudo hoje está reunido no que chamamos de Cietec, que é um grupo que se uniu em pesquisas de áreas médicas. Entre 2004 e 2005 já víamos que havia uma soma de conhecimento acumulado nesta área. Este ramo nasceu de forma natural"

Sacomano ressalta que, ao contrário do que se pode pensar, não há nenhuma contradição entre o fato de o Hospital-Escola Municipal priorizar a saúde preventiva e as tecnologias que podem trazer inovações na área da medicina e de medicamentos. "A medicina social não retém o avanço tecnológico. Pelo contrário, ela avança com novas ferramentas na prestação de serviços. A medicina do futuro não será como hoje, pois ela não é estática. Ela poderá ter uma nova formatação e dentro disso, entrarão os novos fármacos. No futuro teremos doença que hoje exigem internação, cuidada com o paciente em casa. O médico da família poderá superar isso com novas tecnologias. Também teremos medicina não invasiva. Hoje a cirurgia é moderna, com pouca invasão no corpo e liberação do paciente de forma mais rápida. Um curso de medicina como o de São Carlos jamais irá segurar a pesquisa. Muito pelo contrário, ele vai melhorar a qualidade da pesquisa, saindo da especialidade e indo para a pesquisa da prevenção. Isso será algo absolutamente novo, intenso e muito útil para o Brasil".