Notícia

MCTIC - Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações

Especialista em treinamento físico é o vencedor da etapa brasileira do FameLab

Publicado em 03 maio 2018

O estudante de pós-graduação em educação física e esporte da Universidade de São Paulo (USP) Guilherme Defante Telles venceu a etapa brasileira do FameLab Brasil 2018. Ele bateu outros 10 concorrentes e vai representar o país na decisão mundial do concurso de comunicação científica, em junho, na Inglaterra.

Guilherme apresentou ao público presente à disputa no Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro, como a prática de exercícios físicos estimula a produção de exossomos (estruturas que carregam diversas moléculas, inclusive de material genético), promove e regula a resposta imune do corpo humano. “Eu estava confiante, mais tranquilo que na semifinal, mas ao mesmo tempo tenso”, afirmou o especialista em adaptações moleculares ao treinamento físico.

A física Priscilla Andressa de Souza Silva foi a favorita do público na decisão. Única representante da área de exatas, ela falou sobre a possibilidade de ir ao espaço buscar metais e minérios contidos em asteroides. “Nós percebemos que o público tem sede de conhecer ciência e pesquisa. E mostramos que os cientistas são, antes de mais nada, pessoas. Eles podem usar a emoção, o humor e outras ferramentas para transmitir ciência”, disse.

Para o diretor de Ciências Agrárias, Biológicas e da Saúde do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Marcelo Morales, o FameLab tem um papel importante na difusão do conhecimento científico no Brasil. “É incrível ver o auditório do Museu do Amanhã lotado para ver pesquisadores falando de ciência de forma inusitada e criativa. Esse é o Brasil que todos queremos”, destacou.

Esta foi a terceira edição do concurso no Brasil. Para participar da disputa, os pesquisadores enviaram vídeos explicando um conceito científico ou tecnológico e mostrando seu impacto na vida cotidiana. Presente em 32 países, o FameLab é organizado pelo British Council e tem o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) como um de seus apoiadores no Brasil.

O Museu do Amanhã, o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), o Conselho Nacional das Fundações de Amparo à Pesquisa (Confap) e a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) também dão suporte à iniciativa.