Notícia

Diário do Nordeste online

Era do Genoma

Publicado em 09 março 2008

Por Mirtila Facó

Você já parou para pensar que pode ter diversas características idênticas aos de ratos, plantas e, até mesmo, aos de vermes? Por mais que soe estranho, é isso que pode ser comprovado através da exposição internacional 'Revolução Genômica', que chega ao Brasil através da parceria entre o Instituto Sangari - que tem o objetivo de melhorar a qualidade da educação por meio do ensino de ciências - e o Museu de História Natural de Nova York.

Com público estimado de 500 mil visitantes, a mostra acontece no Pavilhão Armando de Arruda Pereira, no Parque do Ibirapuera, em São Paulo. Antes de chegar ao País, a exposição passou por Atlanta (EUA), Wellington (Nova Zelândia) e Hong Kong (China). Fortaleza, Rio de Janeiro, Brasília, Goiânia, Curitiba, Belo Horizonte, Salvador, Recife, Belém e Manaus estão entre as capitais brasileiras que deverão receber a exposição.

De acordo com Ben Sangari, presidente do Instituto, para que o evento seja levado a outros locais é essencial que ocorra interesse por parte dos órgãos responsáveis. 'Temos total interesse em divulgar o estudo da ciência, afinal, sabemos que o código científico é a condição necessária para o desempenho produtivo dos cidadãos no próximo milênio', ressalta Ben.

Viagem

Na exposição, orçada em R$ 4,5 milhões, recursos incentivados pela Lei Rouanet, os brasileiros entenderão melhor todos os temas tratados, já que elementos da fauna e da flora típicos do País foram inseridos. Para que os visitantes assimilem melhor o que significa o genoma, a mostra, que teve seu espaço original ampliado para 2 mil metros quadrados, faz uma pequena 'viagem', partindo dos macro organismos, para os seres e elementos menores e mais complexos.

Segundo Niles Eldredge, paleontólogo e curador do Museu de História Natural americano, a idéia de reunir biodiversidade e revolução genômica é essencial para que as pessoas percebam a importância de cuidar de forma adequada do ecossistema. Sobre essa questão o paleontólogo indaga: 'Há mais de 6 bilhões de pessoas em todo o mundo e 2 bilhões delas não têm acesso a água potável. O que estamos fazendo para reverter essa situação?'.

Seções

A 'Revolução Genômica' está dividida em três grandes segmentos. O primeiro deles denominado 'Grande Salão de DNA' apresenta a enorme diversidade de organismos existentes, mostrando que todas eles possuem DNA. 'Todos têm DNA'; 'Cada vez mais perto do DNA' e 'Grande célula' são as três seções desse primeiro ambiente. Na primeira delas haverá uma instalação especial que mostrará, através de fotografias, filmes, modelos e animais vivos e taxidermizados, toda a biodiversidade brasileira.

O segundo segmento é chamado de 'A Era do Genoma'. Nesta seção o visitante aprende as noções básicas de genética, tais como: o que é o gene; qual a função do DNA; a descoberta da dupla-hélice e a evolução das pesquisas na área. Uma das grandes curiosidades desta parte da exposição acontece na seção "Redesenhando nosso mundo". Neste espaço, os visitantes poderão interagir com um modelo de organismo e participar da manipulação genética de uma mosca, observando as possíveis mutações que são geradas.

No final da mostra, as pessoas conhecerão mais sobre a genética dos alimentos. Para possibilitar a aproximação dos brasileiros com o assunto em questão, elementos típicos do País foram introduzidos. Genoma da cana-de -açucar e da soja; sequenciamento da bactéria Xylella fastidiosa, que atinge as plantações de laranja; e contribuição dos cientistas brasileiros no Projeto Genoma são alguns dos pontos observados.

Com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), a mostra conta ainda com um laboratório de aprendizagem, onde as pessoas observarão uma forma rápida e simples de extrair o DNA de morangos. Durante todo o percurso, que dura em média 1hora e 15 minutos, os visitantes serão acompanhados por 25 educadores, todos eles formados em biologia e organizados em dois turnos.

Conforme Carlos Henrique de Brito Cruz, doutor em Ciências no Instituto de Física Gleb Wataghin, da Universidade de Campinas, presidente da Fapesp, e membro do comitê científico da exposição, o intuito da 'Revolução Genômica' é fazer com que as pessoas entendam que a ciência não é algo difícil de assimilar. E completa: 'O maior objetivo da mostra não é responder a todos os questionamentos, muito pelo contrário, nossa idéia é que todas as pessoas saiam com muitas perguntas, afinal, é por meio de indagações que a ciência é construída'.

De acordo com Bianca Rinzler, diretora executiva do Instituto Sangari, para dar continuidade a promoção, novas parcerias já foram firmadas com o Museu de História Natural de Nova York e outras mostras serão trazidas ao País: 'Einsten' e 'Água', programadas para o próximo ano; 'Mudanças Climáticas', prevista para o primeiro semestre de 2010; e 'Mamíferos Extremos', no segundo semestre de 2010.

MOSTRAS

9 exposições serão realizadas no Brasil por meio da parceria entre o Instituto Sangari e o Museu de História Natural de Nova York. São esperados cerca de 12 milhões de visitantes.

PARA ENTENDER...

Genética: é o ramo da biologia que estuda a forma de transmissão das características genéticas de geração para geração.

Gene: é toda informação genética contida na molécula de DNA.

DNA: é um dos dois tipos de ácido nucléico presente no núcleo das células. É responsável pela produção das moléculas de proteínas.

Cromossomos: São estruturas presentes nas células e responsáveis por armazenar o DNA.

Genoma: é o conjunto de todos os genes humanos, ou seja, seu código genético.

Clonagem: é o processo de produzir cópias idênticas de seres vivos por meio de um fragmento específico de DNA.

Transgênicos: são os organismos que, através de técnicas de engenharia genética, passam a conter material genético de outros organismos.

Mutações genéticas: são mudanças que ocorrem, ocasionalmente, nos genes, possibilitando a variabilidade gênica.

O Viva viajou a convite do Instituto Sangari