Notícia

Globo Rural online

Equinos ganham feno com menos volume e enriquecido

Publicado em 17 agosto 2009

Da Redação, com informações da Agência USP

Uma parceria envolvendo pesquisadores da FMVZ - Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP e um grupo de empreendores possibilitou a criação de feno enriquecido extrusado para alimentação de equinos. Foram reunidas, em um só produto, as duas frações usadas tradicionalmente na alimentação desses animais: o volumoso (feno, capim verde, etc.) e a ração (milho, farelo, minerais, etc).

Além de não haver desperdício de volumoso, os testes realizados pela equipe do professor Alexandre Augusto de Oliveira Gobesso, do Departamento de Nutrição e Produção Animal da FMVZ, no campus de Pirassununga, indicaram que o feno enriquecido extrusado apresenta viabilidade econômica para produção em larga escala, além de não ter interferido no comportamento alimentar e saúde dos animais. Gobesso explica que rações completas enriquecidas extrusadas já existem no mercado, mas são direcionadas para outros animais como bovinos e caprinos.

Os experimentos foram realizados durante 70 dias, em 4 cavalos e tiveram o objetivo de comparar uma dieta tradicional de excelente qualidade com dois modelos do produto: no primeiro, volumoso composto por feno e gramíneas de baixa qualidade e concentrado a base de milho, farelo de soja e uma mistura mineral.

No segundo modelo, havia alteração do volumoso cuja qualidade era alta. Os resultados apontaram que não houve mudança no comportamento alimentar dos animais: o feno enriquecido extrusado poderia ser usado na dieta dos cavalos, em substituição à dieta tradicional de alta qualidade. "Houve apenas uma diferença em relação a digestibilidade, devido à baixa qualidade do volumoso usado em um dos testes".

Ficou constatado que o preço do feno enriquecido extrusado poderia ser igual ao preço da ração concentrada e de volumoso, girando em torno de R$1,00 o quilo, com a vantagem de não haver desperdício de volumoso. O professor conta que foi convidado pelo grupo empreendedor para ampliar a parceria Universidade-empresa por meio de um edital da Fapesp - Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo direcionado a apoiar pequenas empresas. A previsão, segundo ele, é que este projeto seja implantado em 2010.