Notícia

O Norte

Engenheiro faz pó antievaporação de água

Publicado em 04 agosto 2005

Está em fase final de testes um pó que diminui consideravelmente a evaporação da água e pode ajudar a resolver um dos principais problemas dos açudes construídos no Nordeste, que enfrenta secas constantes. O produto é composto por um tipo de álcool graxo e por calcário. Ao ser jogado sobre a água, o pó forma uma película que se espalha sobre a superfície e impede que parte da água se evapore.
O principal problema dos açudes nordestinos é a perda de água por evaporação. De acordo com dados do Ministério da Integração Nacional, cerca de 75% da água é perdida para o ar. Restam apenas 25% para consumo humano e praticamente nada para atividades produtivas.
Quem está desenvolvendo o produto é o engenheiro químico Marcos Gugliotti, ligado ao Centro Incubador de Empresas Tecnológicas da Universidade de São Paulo (USP). O projeto está avaliado em cerca de R$ 300 mil, financiados pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) por meio do Programa de Inovação Tecnológica em Pequenas Empresas.
Segundo Gugliotti, o pó tem potencial para reduzir em até 50% a perda de água por evaporação. Até o momento, foram feitos experimentos em pequenos reservatórios. No mês que vem, serão feitos os testes finais nos espelhos d'água do Congresso Nacional e do Superior Tribunal de Justiça (STJ), em Brasília. "Já será ótimo se a redução da evaporação ficar entre 15% e 30%" afirma ele.
O teste para verificar a forma como o pó se espalha sobre a superfície foi feito, com sucesso, numa represa de São Carlos, no interior paulista. Para cada espaço equivalente a oito piscinas olímpicas, é necessário apenas 1 quilo do produto, que deve custar aproximadamente R$ 20. Gugliotti já solicitou o registro de patente do pó.