Notícia

Página Rural

Endoterapia vegetal, poluição por microplásticos e técnicas para o controle de qualidade de alimentos em tempo real serão discutidos na Embrapa

Publicado em 05 dezembro 2019

Por Cristina Tordin | Embrapa Meio Ambiente

Temas relacionados às pesquisas realizadas por bolsistas de doutorado e de pós-doutorado ligadas à Central de Resíduos e Contaminantes (CRC) da Embrapa Meio Ambiente (Jaguariúna, SP) serão apresentadas em um ciclo de palestras em 11 de dezembro, das 14 às 17h, sob a coordenação da pesquisadora Sonia Queiroz, que atua como orientadora/supervisora das palestrantes.

O tema “Endoterapia vegetal: avanços, desafios e perspectivas”, apresentado pela pós-doutoranda e bolsista Fapesp Jordana Ferreira, abordará o Estado da Arte da endoterapia vegetal. Em sua palestra, a bolsista fala sobre quais as culturas já utilizaram a endoterapia como tratamento alternativo, as principais tecnologias existentes, apresentará resultados de eficiência de translocação usando métodos endoterápicos, pressurizados e não pressurizados, com o exemplo do ciproconazol no coqueiro (Cocos nucifera Linn.). Além disso, também serão discutidos os avanços recentes empregados na compreensão dos fenômenos de translocação xilemática, novas formulações e bioformulações e otimização das tecnologias de aplicação existentes.

Assim, a discussão refletirá os principais focos frente aos avanços e perspectivas da endoterapia vegetal submetida aos desafios desta pesquisa, com base em estudos analíticos e propostas aplicáveis ao tema. Desta forma, a exigência de superação da complexidade da agricultura moderna frente ao aperfeiçoamento de sistemas produtivos de maneira eficiente, sustentável e ecologicamente seguro podem promover as premissas das Boas Práticas Agrícolas (BPA).

Conforme Jordana, " a tendência para o desenvolvimento de novas tecnologias no controle de pragas e doenças, a endoterapia vegetal, método de aplicação alternativo de produtos dentro do estipe/caule em culturas permanentes, tem interessado tanto os pesquisadores como os produtores".

A doutoranda Bianca da Silva, bolsista da Capes, abordará sobre a questão da poluição gerada pelos microplásticos. Para isso apresentará a sua origem, formação e ocorrência no ambiente e nos organismos. O tema é de grande relevância já que o consumo desenfreado desses tipos de polímeros e suas destinações finais têm sido motivo de crescente preocupação ambiental. É de fato um problema atual e global devido à grande quantidade de resíduos gerados e ao descarte incorreto. Estima-se que mais de 8 milhões de toneladas de plásticos atingem os oceanos anualmente. Diante disso, diversos problemas vêm surgindo, sendo o mais recente deles, a geração dos microplásticos, que por definição são fragmentos de que possuem tamanho menor que 5mm.

Segundo a ONU, pelo menos 51 trilhões de microplásticos já estão presentes nos oceanos, e além do ambiente marinho, essas pequenas partículas já foram encontradas em sedimentos, ecossistemas de água doce, no ar atmosférico, e em alimentos/bebidas, como cerveja, mel e água mineral.

Diante desse cenário, a apresentação abordará a sua origem e formação, sua ocorrência no ambiente e nos organismos e quais os efeitos, já demonstrados por alguns estudos.

O terceiro tema será o “Estado da arte em técnicas analíticas para o controle de qualidade de alimentos em tempo real”, apresentado pela doutoranda Larissa Rocha Terra, bolsista Fapesp.

A garantia da qualidade e segurança em produtos alimentícios é um tema de alta relevância nos dias atuais devido à crescente exigência dos consumidores. O controle de qualidade de alimentos inclui análises de diversos parâmetros, tais como de segurança (contaminação microbiológica), propriedades físico-químicas (textura, maciez, cor, dentre outros), autenticidade de alimentos e propriedades nutricionais (composição química dos alimentos).

Muitas das técnicas tradicionais para esse controle utilizam instrumentos caros e, além disso, necessitam de metodologias geralmente destrutivas, trabalhosas e demoradas. Assim, esclarece Larissa, são necessárias técnicas analíticas avançadas para o controle de qualidade em tempo real, resultando em agilidade aos processos industriais, com a obtenção rápida de informações confiáveis.

Uma busca na literatura fornece como resultado inúmeros trabalhos de pesquisa utilizando diferentes técnicas, dentre elas as de espectroscopia na região do infravermelho próximo, sozinha ou aliada com a espectroscopia visível, espectroscopia Raman, visão computacional, imagem hiperespectral, nariz eletrônico, espectrometria de massas com análise direta em tempo real, ultrassom de baixa energia e espectroscopia de impedância eletrônica, com apresentação de uma visão geral de cada uma dessas técnicas. As mais difundidas, eficientes e aplicáveis na dinâmica industrial serão abordadas mais profundamente, com breve descrição teórica e aplicações das principais técnicas já utilizadas.

As inscrições podem ser feitas pelo email cnpma.eventos@embrapa.br

Essa notícia também repercutiu nos veículos:
Embrapa