Notícia

Jornal do Commercio (RJ)

Endoscopia eleva risco de contrair vírus HCV

Publicado em 24 agosto 2005

Pessoas submetidas a endoscopias digestivas estão mais sujeitas a contrair o vírus HCV, responsável pela hepatite C. Silencioso, muitas vezes ele é descoberto somente quando o portador doa sangue, já que o teste que identifica o HCV é exigido nos bancos de coleta apenas desde 1993.

A hipótese foi apresentada na dissertação de mestrado da biomédica Thaís Tibery Espir, desenvolvida no Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS) da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Os resultados preliminares do estudo foram apresentados no 1° Simpósio Pan-americano de Vigilância Sanitária e publicados na Revista Brasileira de Hematologia e Hemoterapia.

"O risco de contaminação é três vezes maior em indivíduos submetidos ao exame", disse Thaís à Agência FAPESP. A transmissão do HCV por endoscopia se dá em virtude da higienização precária do equipamento utilizado, o endoscópio. Secreções liberadas por fissuras existentes no tubo digestivo de um paciente portador de hepatite C, ou mesmo provocadas durante o procedimento médico, contaminam o aparelho. Dessa forma, é grande o risco de o paciente seguinte contrair o vírus.

A pesquisadora analisou amostras do sangue de 253 doadores no Instituto Estadual de Hematologia do Rio de Janeiro (Hemorio). Do total, 54 estavam contaminados e 199 não eram portadores do HCV. Dos contaminados, 25,9% se submeteram a endoscopia digestiva anteriormente, enquanto 11,6% dos não-infectados já haviam feito o exame.

Os indivíduos avaliados responderam a um questionário que determinava comportamentos de risco para a contaminação pela hepatite C — relação sexual com parceiros variados e sem uso de preservativo, uso compartilhado de seringas entre usuários de droga e outros. De acordo com Thaís, alguns portadores do HCV não tinham perfil de risco, porém, haviam passado por endoscopia digestiva.

Agência Fapesp