Notícia

Carbono Brasil

Empresas investem na fabricação de plástico renovável

Publicado em 18 dezembro 2007

Plásticos feitos a partir do etanol de cana-de-açúcar, que podem ser reutilizados num processo de reciclagem, além de polímeros biodegradáveis produzidos por bactérias alimentadas por sacarose e outras substâncias estão na linha de frente de pesquisas e investimentos anunciados por gigantes petroquímicas como Dow Química, Braskem e Oxiteno, fabricantes de resinas plásticas feitas a partir da nafta e de outras matérias-primas derivadas do petróleo.

A Braskem, líder latino-americana em produção de resinas, investiu US$ 5 milhões em pesquisa e desenvolvimento para chegar a um polietileno certificado a partir de álcool da cana, chamado de "polímero verde". As pesquisas que resultaram no novo produto tiveram início em 2005, embora desde 1998 a empresa já avaliasse as propriedades de outros polímeros de matérias-primas renováveis existentes no mercado.

Como naquela época não havia ainda um mercado efetivo interessado em um produto desse tipo, o assunto não prosperou. "Ao retomar as discussões, avaliamos as opções existentes e começamos a trabalhar com o polietileno verde a partir do álcool de cana", relata Antônio Morschbacker, gerente de tecnologia de Polímeros Verdes do Pólo Petroquímico de Triunfo, no Rio Grande do Sul, responsável pelo desenvolvimento do projeto.

As informações disponíveis apontavam que a empresa poderia chegar a um produto competitivo. "Ao longo de 2005, depois de estimativas de custos, vimos que seria viável fabricá-lo e, em 2006, decidimos construir a planta piloto e paralelamente fizemos um estudo mais aprofundado do mercado mundial", diz Morschbacker. "O processo, bastante eficiente, transforma 99% do carbono contido no álcool em etileno, matéria-prima do polietileno." O principal subproduto é a água, que pode ser purificada e reaproveitada.

Clique para ler o texto completo na edição de dezembro de Pesquisa FAPESP: http://www.revistapesquisa.fapesp.br/?art=3412&bd=1&pg=1

Por Dinorah Ereno, da Revista Pesquisa Fapesp

Fonte: Revista Pesquisa Fapesp