Notícia

Diário do Comércio (MG) online

Empresa produzirá papel sintético ecológico Vitopel investiu R$ 4 mi na fase industrial do projeto, desenvolvido na UFSCar, em São Paulo .

Publicado em 15 setembro 2010

Ribeirão Preto - Foi assinado ontem, em São Carlos, na região de Ribeirão Preto (SP), o contrato de licenciamento do papel sintético ecológico (de plástico reciclado, inédito no mundo), uma tecnologia desenvolvida na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) por mais de dez anos. A Vitopel, que participou das pesquisas, vai comercializar o produto em escala industrial, pelo contrato de cooperação firmado com a universidade. O invento poderá se tornar uma solução ambiental. A empresa investiu R$ 4 milhões no projeto na fase industrial.

A patente do produto pertence à universidade e à empresa e o papel ecológico ganhou a denominação Vitopaper. A UFSCar receberá royalties da empresa, mas o valor não foi divulgado pelas partes. " um produto efetivo e a sociedade irá aproveitar e utilizar, pois é o sucesso do processo de inovação", disse o diretor da Agência de Inovação da UFSCar, Paulo Ignácio Fonseca de Almeida. Segundo ele, cerca de 100 mil livros didáticos de informática foram impressos e repassados à Escola Paula Souza, em contrato com a Fundação Anchieta.

Segundo o diretor industrial e de tecnologia da Vitopel, Sérgio Fernandes, a prioridade é a indústria gráfica, tanto para livros didáticos quanto produtos promocionais (como agendas para brindes entre outros). O livro "Para onde nós vamos? Os roteiros de viagem da Família Mller", uma aventura ecológica, foi o primeiro publicado usando o Vitopaper, já há alguns meses.

Esse produto ecológico pode ser impresso com tinta solvente ou emulsão aquosa e destina-se à fabricação de embalagens para DVDs, outdoors, etiquetas, rótulos, mapas, manuais, agendas, envelopes, cartões, catálogos e livros entre outros itens.

A professora do Departamento de Engenharia de Materiais da UFSCar, Sati Manrich, que coordenou o projeto, lembrou que os testes em planta-piloto foram satisfatórios. Ela aposta que o produto substituirá o papel de celulose, mesmo o reciclado, que é mais poluente e também usa mais água. "Com uma caneta esferográfica é mais fácil escrever no papel sintético de plástico reciclado, pós-consumo, do que num papel comum de celulose", informou Sati.

O Vitopaper ganha espaço no mercado, pois apresenta maior resistência e estabilidade, principalmente quando usado em ambiente externo ou em contato com água, além de ajudar o meio ambiente. No fim do processo, o produto recebe o tratamento superficial a partir de descargas elétricas ou por chama. Sati informa que o papel sintético é mais nobre, mais brilhante.

A pesquisa começou em 1996, financiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), e o papel sintético pode durar duas vezes mais que o tradicional. O material de plástico reciclado é triturado e submetido a um tratamento químico desenvolvido pelos pesquisadores. O resultado é a produção de uma película de alta qualidade. (AE)