Notícia

Correio Popular

Empresa negocia com Prefeitura

Publicado em 08 maio 2003

que atualmente serve apenas para abocanhar vida útil do Aterro Sanitário Delta 1A, em Campinas, pode ser transformado em dinheiro e oferecer comida na mesa da população carente. Um projeto elaborado pela EcoSigma Soluções Integradas em Gestão de Meio Ambiente Ltda., uma empresa incubada na Companhia de Desenvolvimento do Pólo de Alta Tecnologia de Campinas (Ciatec), pretende aproveitar 30 toneladas de lixo orgânico recolhidas diariamente na cidade e transformá-las em fertilizante. O total de 30 toneladas de detritos pode gerar 500 toneladas de material para enriquecer o solo. A idéia ainda está em negociação com a Prefeitura. A mão-de-obra e os equipamentos para a coleta do lixo ficariam a cargo da Ecocamp, responsável pelo serviço em Campinas. Nesta história, todos ganham. A empresa terá matéria-prima garantida para revender seu produto, a Ecocamp passará a receber pelos serviços prestados depois de seis meses de implantação da iniciativa e o governo municipal terá, como contrapartida, o recebimento de 50 toneladas/mês de fertilizante, que poderão ser utilizadas para manter ou ampliar o número de hortas comunitárias da cidade. (FG/AAN) OS NÚMEROS Mil toneladas de lixo são coletadas diariamente na cidade 400 toneladas são compostas apenas por resíduos sólidos orgânicos. 130 toneladas são formadas por compostos de boa qualidade, prontos para a compostagem e para servir como adubo mais barato aos médios e pequenos produtores 30 reais é o valor médio de cada tonelada de composto de lixo urbano para ser transformado em adubo. 250 mil reais foi o investimento para desenvolver o software que avalia a qualidade dos resíduos coletados e recomenda o seu usa de maneira adequada para cada situação específica 50% a mais de vida útil é o ganho de um aterro sanitário que trabalha com a compostagem dos resíduos orgânicos.