Notícia

Agência Sebrae de Notícias

Empresa do Pólo Bio-Rio ganha prêmio de inovação

Publicado em 24 maio 2007

Por Vanessa Brito

A empresa Silvestre Labs, integrante do Pólo de Biotecnologia do Rio de Janeiro, recebe o primeiro lugar no ranking do Índice Brasil de Inovação (IBI)

A Silvestre Labs ganha título de empresa mais inovadora do País

Brasília - A empresa Silvestre Labs Química e Farmacêutica, integrante do Pólo de Biotecnologia do Rio de Janeiro (Bio-Rio), foi reconhecida como a mais inovadora do País. A Silvestre Labs ganhou o primeiro lugar no ranking do grupo setorial 2 do Índice Brasil de Inovação (IBI), que abrange média e alta intensidade tecnológica.

Esse novo indicador será lançado, nesta quinta-feira (24), durante o VII Congresso Ibero-americano de Indicadores de Ciência e Tecnologia, na capital paulista. O ranking foi idealizado pela revista Inovação Uniemp, e o IBI é desenvolvido pelo Departamento de Política Científica e Tecnológica da Unicamp, com apoio da Fapesp.

A premiação da Silvestre Labs deve-se à pesquisa e produção do Extra Graft XG-13, o primeiro enxerto ósseo com propriedades ósteo-indutoras, totalmente desenvolvido no Brasil. As empresas classificadas em segundo e terceiro lugares são, respectivamente, a Valée e a Natura, ambas de grande porte.

A entrega do prêmio será realizada às 14 horas, durante sessão especial do congresso, que será realizado no Blue Tree Convention Ibirapuera em São Paulo. "Estamos muito felizes. O prêmio é um reconhecimento ao nosso trabalho e nos dá mais vontade de seguir em frente", afirma Eduardo Cruz, diretor da Silvestre Labs.

O Extra Graft XG-13 pode ser utilizado no preenchimento e substituição óssea em casos de lesões e defeitos ósseos. "O Extra Graft é o primeiro produto da divisão de bioengenharia da empresa", revela Eduardo. Lançado em 2006, já é referência em cirurgias odontológicas e ortopédicas e para médicos e cirurgiões renomados.

"Trata-se de um produto de alta tecnologia, 100% brasileira", resume o bioquímico-empresário. O produto induz a proliferação de células-tronco do tecido ósseo, e encontra-se em processo de registro nos Estados Unidos.

Da incubadora ao mercado

A Silvestre Labs começou como farmácia de manipulação em 1984, transformando-se em indústria farmacêutica em 1990. No período de 1998 a 2001, ficou incubada no Pólo de Biotecnologia do Rio de Janeiro (Bio-Rio), localizado no campus da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Atualmente a empresa está instalada no Pólo Bio-Rio, contando com cem funcionários e ocupando prédio de cinco mil metros quadrados.

"Temos vocação, desde o início, para a pesquisa", diz Eduardo Cruz. O primeiro produto da Silvestre Labs, totalmente desenvolvido com tecnologia própria, foi o medicamento Dermazine, indicado para tratamento tópico de lesões, e que, no período de 1991 a 1996, foi vendido quase exclusivamente para Centros de Tratamento de Queimados.

"Os resultados do medicamento foram tão bons que houve queda de 50% dos índices de mortalidade de pacientes com queimaduras graves nos centros especializados", conta, satisfeito, o bioquímico-empresário.

O Dermacerium foi o segundo medicamento desenvolvido pelo Silvestre Labs, a partir do resultado das vendas do Dermazine. É indicado para tratamento de lesões mais graves e também foi muito bem aceito pelos médicos, segundo o empresário. Esse produto é considerado pela Sociedade Internacional de Queimaduras como o mais importante fármaco a ser utilizado em casos de graves catástrofes com vítimas. O Dermacerium também está em processo de registro nos Estados Unidos, informa Eduardo.

Outro produto bem-sucedido da empresa é o Dentplaque, uma pasta dental inovadora para higiene oral e prevenção de cáries lançado em 1997. O produto localiza as placas bacterianas a serem retiradas, durante a higiene oral. "Ele tem sido adotado pelas campanhas de educação bucal, especialmente para crianças", observa o empresário. A Silvestre Labs é também responsável pela implantação do Cryopraxis, considerado o maior banco de células-tronco da América Latina.