Notícia

Jornal da Manhã (Marília, SP)

Empresa criada na Unesp de Botucatu aprova projeto no Programa Fapesp Pesquisa

Publicado em 26 agosto 2020

Por Da Redação

Uma empresa criada a partir de pesquisas realizadas na Faculdade de Ciências Agronômicas (FCA) da Unesp de Botucatu, teve um projeto aprovado na Fase 1 do Programa Fapesp Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (PIPE), que apoia a pesquisa em ciência e tecnologia como instrumento para promover a inovação tecnológica, o desenvolvimento empresarial e aumentar a competitividade das pequenas empresas no Estado de São Paulo. Sediada atualmente na Prospecta- Incubadora de Base Tecnológica de Botucatu, a empresa EmergeAgro foi criada pelas engenheiras agrônomas Daian i jala Luccas, doutora em Agronomia com ênfase em Produção e Tecnologia de Sementes pela FCA, e Natália Helena Gavilan, doutora em Agronomia e pesquisadora de pós-doutorado junto ao Departamento de Produção Vegetal da FCA, com apoio e consultoria do professor Edvaldo Amaral da Silva, da área de Fisiologia de Sementes e responsável pelo Laboratório de Sementes do Departamento de Produção Vegetal da FCA.

A EmergeAgro oferece soluções tecnológicas, inovadoras e sustentáveis para o setor sementeiro. Por meio de pesquisas e capacitações, os conhecimentos “ Divulgação Daian i jala e Natalia Gavilan, da Emerge Agro transferidos são aplicados na prática do sistema de produção de sementes, fazendo real uso dos avanços tecnológicos e científicos da área. Intitulado “ Nanopartículas no tratamento de sementes de soja visando amenizar os efeitos da deficiência hídrica ”, o projeto aprovado no Programa PIPE tem o objetivo de elaborar um produto comercial para o tratamento de sementes e avaliar seus efeitos fisiológicos na germinação e estabelecimento de plântulas de soja em condição de deficiência hidrica. “ O produto será definido a partir de testes preliminares para avalição do desempenho de liberação e proteção do princípio ativo e seu comportamento no ambiente agrícola ”, conta Daian i. “ O projeto tem potencial de solução para o estabelecimento de lavouras em condições estressantes e pode contribuir fortemente com o sustento da produção de soja e, futuramente, para outras culturas, colaborando com a segurança alimentar global ”.

A Fase 1 do Programa PIPE tem duração prevista de até nove meses e destina-se à realização de pesquisas sobre a viabilidade técnica da pesquisa proposta. Nesta etapa, o valor máximo de financiamento previsto é R$ 200.000,00 (duzentos mil reais) para cada projeto, incluindo todos os custos, considerando também as Bolsas de Treinamento Técnico e a Bolsa de Pesquisa em Pequena Empresa.O EmergeAgro é parceira da Fundação de Estudos e Pesquisas Agrícolas e Florestais (Fepaf) e do Parque Tecnológico de Botucatu.