Notícia

Jornal do Estado (PR) online

Emissões turbinadas

Publicado em 07 julho 2006

Agência FAPESP

No ano 2000, o tráfego aéreo em todo o mundo colaborou com 2% de toda a emissão de carbono para a atmosfera. Apesar de a cifra ser pequena, ela pode mais do que dobrar em 50 anos.
A conclusão é de um estudo que acaba de ser apresentado na Inglaterra, feito por uma equipe da Universidade Metropolitana de Manchester. As estimativas mostram que em 2050 a aviação comercial mundial poderá ser responsável por 5% das emissões de carbono no planeta.
Em números brutos, o estudo do Centro de Transportes Aéreo e Meio Ambiente estima que nos próximos 44 anos a quantidade de carbono liberada pelos aviões poderá ser de quatro a seis vezes maior.
A partir dos dados gerados, os pesquisadores britânicos alertam para a necessidade de que novas tecnologias menos poluentes sejam desenvolvidas pela indústria de aviação mundial. O mesmo vale para o setor naval.
Outra pesquisa, realizada pelo mesmo centro, também mostra que os navios, ao queimar combustível para se deslocar pelos mares, têm tanta importância para o aumento dos gases que pioram o efeito estufa na Terra quanto os aviões.
No caso específico da aviação, alerta David Lee, professor de ciências atmosféricas, está mais do que provado o papel dessa indústria aérea no aumento das emissões de carbono. "Os números apresentados agora são bem consideráveis", disse.