Notícia

Agora São Paulo

Emendas somam R$ 11 bilhões

Publicado em 04 dezembro 2000

A proposta, que inclui 1.481 emendas, será discutida hoje em audiência pública pela Assembléia Legislativa O Orçamento enviado por Covas prevê para 2001 R$ 43,38 bilhões em verbas - uma variação de 7.6% em relação ao ano passado. Chegaram a ser propostas 4.785 emendas, um número recorde. O PT deverá ter o maior número de emendas. Ao todo, 533, seguido pelo PSDB, com 187, e, pelo PL e PPS, com 153 e 151, respectivamente. O PPB, PTB, PFL e PMDB são responsáveis por 20% das emendas. O valor de R$ 11 bilhões é simbólico, uma vez que cerca, de 60% das emendas analisa-, das pelo relator possuem similares entre si. Entre as receitas disponíveis propostas pelo Executivo, R$ 9,58 bilhões estão aplicados na Educação e R$ 5,29 bilhões, na Segurança - crescimentos de 11,87% e 14,61%, respectivamente, em relação ao Orçamento deste ano. Na proposta enviada pelo Executivo, há previsão de diminuição de verba para duas áreas. A Fapesp e faculdades estaduais tiveram queda de 1,58% em verbas. O valor da proposta atual é de R$ 624 milhões. A Secretaria do Emprego e das Relações do Trabalho contava com R$ 248 milhões e teve R$ 240 milhões. O corte se deve ao fim de projetos como o Banco do Povo, segundo José Police Neto, assessor da liderança do governo na Assembléia. A maior crítica da oposição é relativa ao aumento do salário do funcionalismo público e dos investimentos da administração direta. "O saneamento das contas não é revertido em favor dos funcionários públicos e os investimentos são feitos por instituições internacionais", disse o petista Jilmar Tatto.