Notícia

IN - Investimentos e Notícias

Embraer e USP em parceria por inovação

Publicado em 08 abril 2012

Tendo o conforto de suas aeronaves como um dos seus grandes apelos de vendas e, consequentemente, de marketing, a Embraer em parceria com a Universidade de São Paulo (USP) está inaugurando nesta quinta-feira, 05, um Centro de Engenharia de Conforto.

O CEC, na abreviação, está localizado dentro da Escola Politécnica da USP, na cidade de São Paulo e é o primeiro do gênero fora da Europa. Segundo comunicado da Embraer, o laboratório foi construído no âmbito do projeto Conforto de Cabine, de 2006, que vem sendo realizado em parceria também com a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR), com apoio financeiro da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep).

Coordenado pelo professor Jurandir Itizo Yanagihara, da Poli, o projeto receberá investimento de R$ 3,2 milhões da Fapesp, com contrapartida de R$ 4,5 milhões da Embraer e outros R$ 4,3 milhões da Finep com contrapartida de R$ 2,9 milhões da empresa aérea.

O Centro de Conforto conta com a presença de dois mock-ups de partes de cabines do E-Jet (jato Embraer 170/190) para a realização de testes. Um dos modelos é utilizado para reprodução das condições térmicas e no outro, instalado em área que simula uma sala de embarque, foi colocada uma estrutura com 30 assentos dentro de uma câmera de pressão, capaz de reproduzir condições próximas de um voo real. Neste caso, a intenção é determinar como parâmetros de pressão e umidade do ar da cabine, ruído, vibrações, temperatura, iluminação e outros fatores influenciam a percepção de conforto do passageiro durante o voo.

O objetivo do CEC foi definido por Mauro Kern, vice-presidente executivo de engenharia e tecnologia da Embraer: “Melhorar o interior das aeronaves e proporcionar níveis superiores de bem-estar aos passageiros é um dos objetivos mais relevantes do Desenvolvimento Tecnológico da Embraer”, destacando ainda que a experiência do passageiro cada vez mais determinará o sucesso das aeronaves da marca no mercado global. Isso, claro, porque todos os incrementos obtidos nos estudos do CEC serão aplicados nas novas aeronaves produzidas pela Embraer. As informações são do Meio&Mensagem.

(Redação - Agência IN)