Notícia

IDEC

Em busca dos créditos de carbono

Publicado em 13 janeiro 2006

Por Agência FAPESP, por Eduardo Geraque
A parceria entre universidade e empresa mostra mais uma vez ser um caminho de sucesso. O Centro de Estudos Integrados sobre Meio Ambiente e Mudanças Climáticas (Centro Clima) e a empresa Usinaverde obtiveram do Conselho Executivo do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) a aprovação de um projeto para o tratamento limpo do lixo doméstico.
A aprovação do conselho, criado pela Organização das Nações Unidas (ONU) a partir do Protocolo de Kyoto, é a primeira a ser dada a uma instituição de ensino pública brasileira. O Centro Clima está ligado ao Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pesquisa e Pós-Graduação de Engenharia (Coppe), da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Com o sinal verde, o projeto poderá comercializar os certificados de emissão reduzida, também conhecidos como créditos de carbono - cada certificado equivale a 1 tonelada de carbono que deixa de ser emitida na atmosfera.
A nova tecnologia desenvolvida no Rio de Janeiro está dividida em quatro etapas. Na primeira, o lixo doméstico, ao chegar à usina de tratamento, é despejado diretamente nos chamados silos de recepção. Em esteiras rolantes são separados materiais não-combustíveis, como vidros, cerâmicas e metais.
O passo seguinte é a queima do material propriamente dito. Os gases e vapores gerados passam por uma oxidação energética em temperatura superior a 1000ºC. Todo o vapor gerado na pós-combustão é utilizado para geração de energia.
Na terceira etapa, os gases passam por uma lavagem, na qual são solubilizados e resfriados drasticamente. Tudo isso é feito em ambiente fechado. A solução de lavagem circula entre os lavadores e o decantador, sem que ocorra a geração de efluentes líquidos.
Os 5% do volume inicial de lixo incinerado, agora na forma de cinzas, passam pela última etapa. A parte solúvel desses resíduos, após decantar, será neutralizada por meio de reações químicas. Os sais também vão precipitar nos fundos do tanque nessa parte da operação.
A tecnologia, denominada processo de mineralização dos resíduos sólidos orgânicos, resulta, além da geração de energia, em uma grande redução na emissão de metano para a atmosfera. Os cálculos, feitos apenas para a usina piloto instalada na UFRJ, mostram que poderá ser evitada a emissão de cerca de 1.980 toneladas de dióxido de carbono por ano.
"Apesar de a quantidade ser baixa, o processo demonstra que os mecanismos limpos são viáveis. Trata-se de uma alternativa ambientalmente correta para o tratamento do lixo", disse Alexandre Louis D'Avignon, pesquisador do Centro Clima, à Agência FAPESP.
A eficiência do projeto da Coppe pode ser medida pelo balanço do carbono. Enquanto 30 toneladas de lixo produzem estimadas 4.121 toneladas de carbono num aterro sanitário, ao passar pelo novo processo elas gerariam 1.947 toneladas.
Segundo D'Avignon, nessa conta entram também 93 toneladas do uso do GLP na usina, para manter a temperatura do sistema constante, e outras 92 toneladas dos processos de combustão. A subtração de um valor pelo outro resulta na quantidade de carbono realmente evitada, as 1.980 toneladas. Todos esses cálculos levam consideração a constituição do lixo usado na usina.

Solução nacional
Por causa das limitações de espaço, a usina piloto em funcionamento na UFRJ trata apenas 30 toneladas de lixo por dia. Em escala comercial, segundo Alexandre D'Avignon, do Centro Clima, ela poderá ser montada a partir de módulos para processar 100 toneladas. Na planta piloto, a produção de energia é de 440 kW.
Para o pesquisador, a tecnologia poderá ser muito útil especialmente para pequenos municípios brasileiros. "É um processo criado para funcionar em autocombustão", explica. Do total produzido em energia, a própria usina de incineração consome 320 kW. Os 120 kW restantes podem ser exportados para utilização em outros locais.
O projeto conduzido pelo Centro Clima e Usinaverde também prevê o uso dos sais precipitados na tecnologia, que correspondem a 5% do volume inicial de lixo incinerado. Esses sais, segundo os estudos já feitos, poderiam ser empregados na fabricação de argamassas, tijolos e corretivos de solo. "Mas isso é ainda apenas uma possibilidade", ressalta D'Avignon.
Ainda que o negócio da compra e da venda de créditos de carbono seja algo para o futuro, vários contratos estão sendo fechados em todo o mundo. A Bolsa de Chicago, por exemplo, já calcula o valor de tonelada do carbono - em 10 de janeiro, a cotação estava em US$ 1,65.
Segundo estimativas da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima, do Ministério da Ciência e Tecnologia, em 2006 os projetos brasileiros validados pelo MDL, em todas as categorias existentes, devem chegar a 300. Hoje, são 83 iniciativas que dispõem do direito de comercializar créditos de carbono.