Notícia

Bragança Jornal Diário

Em busca de plantas de café sem cafeina

Publicado em 08 maio 2012

Embora já exista no mer­cado o café descafeinado, muito consumido nos Esta­dos Unidos e Europa, a busca por plantas que produzam o fruto sem a cafeína está cada vez mais peno graças às pesquisas genéticas de­senvolvidas há mais de 20 anos pelo pesquisador Pau­lo Mazzafera, da UNlCAMP (Universidade Estadual de Campinas) que tenta criar uma variedade de café natu­ralmente sem cafeína e viá­vel de ser cultivada em es­cala comercial. Segundo o pesquisador a justificativa pela busca de plantas de variedades de Coffea arábica que não produzam a substância tem a ver com o sabor do café alterado.

“Muitas pessoas não tomam café porque não querem sentir os efeitos estimulantes da cafeína e, ao mesmo tempo. acham o gosto do café artificialmente descafeinado ruim”, disse Mazzafera à re­vista da Fundação de Pesqui­sas do Estado de São Paulo (FAPESP). Suas pesquisas com o café foi destacado na revista Nature, uma das revis­tas de maior credibilidade da ciência mundial, na edição do último dia 15 de março. Em 2004 Mazzafera e a pesquisa­dora Maria Maria Bernadete Silvarolla do Instituto Agronômi­co de Campinas (des­cobriram algumas plantas da espécie Coffea arabica origi­nárias da Etiópia que, graças a mutações naturais, eram livres de cafeína. Contudo, durante a reprodução elas revertiam a característica de produzir cafeína. Agora os pesquisadores tentam alterar o DNA de sementes de urna variedade comercial de Coffea arabica conhecida como Catuaí Vermelho. Tudo indica que logo deve­remos saber se os experi­mentos deram resultados: “Se conseguirmos criar uma variedade de café sem cafeí­na que mantenha as demais características muito mais gente vai passar a tomar café”, opinou Mazza­fera na entrevista à FAPESP.