Notícia

Gazeta Mercantil

Editora brasileira lança uma revista via Internet

Publicado em 25 agosto 1995

Por Por Lidia Rebouças - de São Paulo
As publicações brasileiras já invadem a Internet. A Próxima Mídia Interativa, editora de títulos multimídia acaba de lançar a Neo In The Web, uma publicação semanal sobre temas culturais, documentários de interesse geral que pode ser acessada via linha discada pelos usuários da Internet. A edição eletrônica traz recursos multimídia, com exibição de trechos de vídeos, mostras de fotos e execução de músicas de bandas brasileiras. A Próxima Mídia Interativa investiu cerca de R$ 5 mil na produção do primeiro número, e gastará mensalmente mais R$ 5,5 mil para atualizar semanalmente a edição. A editora aproveitou boa parte dos equipamentos e experiência dos trabalhos desenvolvidos com a edição da primeira revista em CD-ROM, a Neo Interativa, que já está na sua quinta edição e vendeu 50 mil unidades em um ano. Ricardo Anderaos, editor executivo da Próxima Mídia, explica que a infra-estrutura tecnológica necessária para criar uma publicação eletrônica não exige equipamentos de grande porte. "Qualquer computador pessoal com processador 486 dá recursos para uma edição eletrônica." Para dispor a Neo In The Web na Internet, a Próxima Interativa buscou o mesmo caminho usado pelas outras editoras, como a Agência Estado, JORNAL DO BRASIL, para ocupar o espaço reservado para os serviços de informação, Infoserv, que já estão na rede. A editora aluga mensalmente um domínio no equipamento servidor da Embratel, responsável em dispor todas as informações na rede. Os custos envolvem o valor da assinatura, inscrição e registro do domínio, na média de R$ 750, mais R$ 3 por hora para a transferência, através de linha telefônica, de toda a edição para dentro do provedor da Embratel. "O total chega a R$ 5,5 mil", explica Anderaos. Diferentemente das publicações impressas, a Neo In The Web não possue assinatura, o acesso como a de todas as outras publicações eletrônicas é livre. A rentabilidade desse negócio está baseada na venda de espaços publicitários. Por enquanto, a editora já fechou um patrocínio de R$ 15 mil com a Itautec, que possue uma página de marketing na revista, além de logotipo na "home page", página de acesso ao serviço. A estratégia de comercialização da Próxima Interativa tem sido de amarrar um pacote de patrocínio com os anunciantes do CD-ROM, e oferecer os dois espaços pelo mesmo preço. "Como a revista em CD é trimestral, o patrocinador pode ganhar um anúncio pelo período de três meses na Internet", explica o editor. Para ganhar um bom argumento publicitário, a Próxima Interativa está empenhada no desenvolvimento de um recurso que contabilize o número de acesso à revista na rede, e provar o potencial dessa mídia. "Isso funcionaria como o número de assinantes, ou o volume de circulação da revista." No seu primeiro número, o destaque está na exposição de gravuras de cinqüenta artistas plásticos, organizada pelo Greenpeace, sobre o cinqüentenário da explosão da bomba atômica, além de imagens dos protestos na França contra a retomada dos testes nucleares. A edição é trilingüe -Português, Inglês e Espanhol - e devido a alta resolução de suas imagens, possibilita aos usuários da Internet obterem impressões e reproduções dos arquivos. A edição de inauguração do serviço traz também matéria sobre as bandas de rock brasileiras, com trechos de músicas e execuções em áudio. O serviço dispõe de correio eletrônico que permite ao usuário enviar mensagens e até participar dos protestos antibélicos que vão diretamente para o presidente da França. Jacques Chirac. Para ter acesso ao serviço, o usuário deve possuir software específicos de navegação, como o Mosaico e Netscape.