Notícia

JC e-mail

Edital de R$ 2,4 milhões apoiará incubadoras universitárias na Bahia

Publicado em 24 julho 2008

A Bahia contará com um edital específico para o apoio a incubadoras universitárias. O anúncio foi feito pelo secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação, Ildes Ferreira, na abertura do 2º Encontro Nordestino de Empreendedorismo Inovador, que começou nesta quarta-feira (dia 23) e segue até sexta-feira (dia 25), em Salvador.

O evento reúne cerca de 80 empreendedores e gestores de incubadoras de empresas de todo o Nordeste.

Segundo o secretário Ildes Ferreira, o edital de apoio a incubadoras universitárias de empreendimentos econômicos solidários contará com recursos de R$ 2,4 milhões e será lançado em 27 de agosto. A data marca o aniversário da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (Fapesb), órgão vinculado à Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti).

"Junto com a Fapesb, já lançamos editais que somam recursos da ordem de R$ 21 milhões com foco na inovação", disse Ferreira. Ele destacou que a Bahia está atrasada no campo do empreendedorismo e uma mostra disso é a existência de apenas seis incubadoras de empresas em operação no estado.

Além da Secti e da Fapesp, o novo edital é fruto ainda da parceria com a Secretaria de Trabalho, Emprego e Renda (Setre) e o Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT).

Seminário debate empreendedorismo

Com o tema “Caminhos para o Desenvolvimento e Inovação”, o Encontro acontece no Othon Palace Hotel. Voltado para empreendedores que pretendem criar novos negócios ou que já participam de processo de incubação, o evento mostra o que está sendo desenvolvido na região para o setor.

Segundo o coordenador da Rede Baiana de Incubadoras, José Roberto Salomão, poucos empreendimentos surgiram de incubadoras baianas. “Precisamos realizar um trabalho muito intenso. Os governos possuem papel significativo neste processo, principalmente no estabelecimento de políticas públicas que facilitem a consolidação dessas empresas”, disse. Para Salomão, as empresas que nascem em incubadoras possuem um número maior de ferramentas de gestão, o que reduz a possibilidade de mortandade.

Já o superintendente do Sebrae/BA, Edival Passos, ressaltou que é preciso desconstruir o conceito de que a inovação é restrita às grandes empresas. Para ele, o Nordeste precisa dar um salto para superar as desigualdades do ponto de vista do empreendedorismo inovador, lembrando que ainda existe timidez por parte dos pequenos empresários em buscar a inovação tecnológica, mas tudo por falta de conhecimento e que, por isso, o Sebrae vem tornando acessível o conhecimento sobre tecnologia e inovação.

“É possível mostrar, por meio de exemplos, que o dia-a-dia da empresa e o convívio social podem gerar conhecimento e inovação. Mas não podemos esquecer que o conhecimento de origem clássica e de origem acadêmica também são fundamentais, e sem eles nós não avançamos”, ressaltou Edival Passos.

O 2º Encontro Nordestino de Empreendedorismo Inovador faz parte do Programa de Cooperação Técnica do Serviço Nacional de Apoio à Micro e Pequena e Empresa (Sebrae) e da Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec), com o apoio da Secretaria Estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti).

O programa prevê encontros regionais, por ano, para tratar de temas regionais que impactam no desenvolvimento e na consolidação de movimentos de incubadoras de empresas, Parques Tecnológicos e Empreendedorismo Inovador. Os detalhes da programação estão no site http://www.rbi.org.br/encontronordestino/.

Incubadoras de Empresas são mecanismos que estimulam a criação e o desenvolvimento de micro e pequenas empresas por meio da formação complementar do empreendedor em seus aspectos técnicos e gerenciais e que, além disso, facilitam e agilizam o processo de inovação tecnológica nas micro e pequenas empresas.

(Assessoria de Comunicação da Secretaria de CT&I da Bahia)