Notícia

DCI

Ecozon recebe verba oficial para criar gerador de oxigênio

Publicado em 20 abril 2005

A Incubadora de Empresas de São Bernardo teve, este mês, o seu quarto projeto de pesquisa tecnológica aprovado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). O projeto receberá R$ 74 mil para desenvolver equipamento gerador de oxigênio. A incubadora, que foi criada em 1999, é voltada exclusivamente para as empresas que têm projetos na área de tecnologia. Atualmente, existem mais 16 projetos que estão em fase de liberação de recursos.
A empresa que receberá os R$ 74 mil é a Ecozon, que está incubada desde 2003. O seu projeto "Desenvolvimento de equipamento gerador de oxigênio", classificado no programa PIPE — Inovação Tecnológica em Pequenas Empresas —, da FAPESP — Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, também receberá uma bolsa de mais de R$ 4,7 mil para a subsistência do pesquisador, que deve trabalhar no projeto cerca de 40 horas por semana.
"O recurso disponibilizado pela Fapesp dá a possibilidade de o pequeno empresário aprimorar o seu produto e torná-lo competitivo no mercado", disse o gerente da Incubadora de São Bernardo, Alexandre Vancin.
Este é o quarto projeto de pesquisa tecnológica da Incubadora aprovado pela FAPESP. Os projetos aprovados são: desenvolvimento de filtro de óleo diesel, que separa a água do óleo; máquina de geração de ozônio; máquina de analisador de ozônio e produtos ortodônticos.
O pesquisador pode utilizar o laboratório da FEI — Faculdade de Engenharia Industrial, uma parceira da Incubadora. "Depois, o produto é produzido e comercializado na Incubadora. Esse fato é o que diferencia a Incubadora de São Bernardo das demais do Estado de São Paulo. Aqui, nós desenvolvemos, produzimos e vendemos os produtos. Executamos toda a cadeia industrial dentro do espaço físico e atendemos o mercado local", complementou Vancin.
Atualmente, a Incubadora é dividida por três setores: tecnologia de informação, tecnologia de automação e química fina, onde atende apenas as empresas da região. A empresa interessada tem que apresentar a sua idéia para Incubadora que analisará o projeto para liberar o dinheiro para pesquisa. Primeiro é averiguado o tempo de retorno desse projeto, ou seja, ele deve dar lucro em menos de três anos. Depois, qual será o valor de mercado dessa empresa nos próximos três anos. Por último é estudada a taxa de retorno do investimento.