Notícia

Oeste Notícias

Ecolab da Unoest recebe novos equipamentos da Fapesp

Publicado em 06 agosto 2009

O Laboratório de Ecofisiologia Vegetal da Unoeste (Ecolab), recebeu cerca de R$ 318 mil de investimentos para a compra de novos equipamentos da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). O benefício se deu após a aprovação de um projeto de pesquisa do docente Gustavo Maia Souza, do Programa de Mestrado em Agronomia.

Sensores de luz, medidor de fotossíntese portátil, câmara de crescimento de plantas, estufa de secagem, controlador de umidade, medidor de pH, balanças e outros aparelhos foram adquiridos. "A disputa pelo apoio da Fapesp é acirrada em todo o Estado de São Paulo. Esta aprovação mostra o potencial da Unoeste", afirma Souza.

Ele explica que, além da avaliação do projeto, o currículo do pesquisador também é analisado. "Os critérios de avaliação da Fapesp são rigorosos. Dados como o objetivo, a justificativa e a metodologia do projeto, são estudados e comparados. Pouquíssimas universidades possuem um laboratório como o Ecolab", completa o docente.

O projeto intitulado Influência de Diferentes Regimes de Temperatura sobre o Desenvolvimento de Soja e Braquiária: uma Análise Sistêmica tem por objetivo, estudar como essas espécies reagem nas alterações climáticas e deficiência hídrica.

O aluno Hilton Fabrício Vítolo, do Mestrado em Agronomia, é um dos pesquisadores. Ele foi contemplado com uma bolsa de estudo do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), referente ao edital nº 70/2008, do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT). "É possível saber quais espécies vão se adaptar melhor às mudanças, geradas pelo efeito estufa e outros fenômenos que são reflexos da poluição", explica o pós-graduando.

Ele fala sobre a satisfação de participar do estudo. "Entender o crescimento e desenvolvimento de uma espécie, mostra a grandiosidade da vida. A infraestrutura da Unoeste permite um aprendizado destes processos. Quero ser docente e pesquisador, e aqui, posso realizar o meu sonho", ressalta Vítolo.

Quem também compõe o corpo de pesquisadores é a ex-aluna Suzana Chiari Bertolli. "A fisiologia é a área da Biologia que mais me identifico. Além disso, o projeto pode colaborar para o planejamento da agricultura do país. A Universidade possui um ambiente de estudo de alto nível", completa.

Frank Akioshi Kawahara, do 2º ano do mestrado, também utilizará os novos equipamentos. Em um convite recebido pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Unidade Embrapa Pecuária Sudeste, o aluno inicia o estudo Respostas Fotossintéticas, Relações Hídricas e Biomassa de Espécies Forrageiras sob Condições de Deficiência Hídrica e Suplementação de Fósforos.