Notícia

GVces - Centro de Estudos em Sustentabilidade

Ecogerma 2009 - Em busca de soluções verdes

Publicado em 13 março 2009

Por Thiago Romero

Agência FAPESP

Pesquisadores, representantes de governo e empresários brasileiros e alemães se reúnem na Ecogerma 2009 para discutir novas oportunidades no mercado de serviços e produtos sustentáveis para alavancar economias em tempos de crise

 

Inspirados por um ditado germânico que diz ser “na penúria que nos tornamos inovadores”, cientistas, representantes de governo e empresários brasileiros e alemães estarão reunidos até domingo (15/3), em São Paulo, no congresso e na feira de inovações tecnológicas Ecogerma 2009.  O evento tem o objetivo de discutir novas oportunidades no mercado de serviços e de produtos sustentáveis.

“Há muitos argumentos fortes para promover um evento como esse em tempos de crise, mas um dos principais é que existe uma excelente combinação entre o portfólio de tecnologias sustentáveis da Alemanha e do Brasil”, disse Rolf-Dieter Acker, presidente da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha, promotora do evento, nesta quinta-feira (12/3), na capital paulista.

“Por isso, entendemos ser importante reunir 200 empresas, órgãos governamentais e institutos de pesquisa expositores com os cerca de 20 mil visitantes que são esperados por dia no evento”, complementou.

O diretor do Departamento de Meio Ambiente e Sustentabilidade da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha, Ricardo Rose, defendeu que as inovações na área de sustentabilidade podem ser uma saída eficiente para alavancar a economia em períodos de crise.

“A Alemanha é o maior exportador de tecnologias ambientais e a Ecogerma, que terá todas as emissões de gases poluentes compensadas em outras atividades ambientais, vem para mostrar a importância de investir mais no mercado de tecnologias verdes”, disse.

Em reunião com a imprensa pouco antes da abertura oficial do evento, Thomas Kunze, diretor da consultoria Roland Berger, apresentou um estudo encomendado pela Câmara Brasil-Alemanha sobre o mercado de tecnologias sustentáveis.  Intitulado “Greentech in Brazil”, foi feito em 2008 e 2009 a partir de entrevistas com representantes de 110 empresas nacionais e estrangeiras instaladas no país.

Segundo Kunze, o mercado de tecnologias sustentáveis no Brasil, que engloba basicamente três grandes áreas – energias renováveis, gestão ambiental e eficiência energética –, movimenta aproximadamente US$ 17 bilhões anuais, valor semelhante ao faturamento, por exemplo, das empresas do setor elétrico.

“Trata-se de um setor em franca ascensão, cujas estimativas apontam para um crescimento de 5% a 7% ao ano até 2020 – taxa bem superior à expectativa de crescimento da própria economia nacional –, podendo chegar a pelo menos US$ 22 bilhões anuais”, disse.

Com mais de 43% de sua matriz energética considerada “limpa”, principalmente por conta da geração de hidreletricidade e da produção de biocombustíveis, o estudo destaca que o Brasil atualmente é líder no segmento de energias renováveis, seguido pela Índia, que abriga matriz energética limpa de 31%, China (8%), Itália (7%), França e Alemanha – ambas com 6% –, Estados Unidos (5%), Rússia (4%) e Japão (3%).

Segundo o levantamento, por volta de 85% da matriz energética “limpa” no Brasil é composta por energia hidrelétrica e 14% por biocombustíveis utilizados no transporte rodoviário.  “Estimativas indicam que o setor de biocombustíveis no país poderá chegar a 30% da matriz energética nacional até 2030.  Para efeito de comparação, os Estados Unidos têm 1,3% e a União Europeia apenas 0,7% de sua matriz energética representada pelos biocombustíveis no transporte rodoviário”, disse Kunze.

O estudo aponta quatro segmentos como os mais propícios para a geração de tecnologias sustentáveis no país, que teriam potencial elevado de subsidiar intercâmbios para a transferência de conhecimentos entre pesquisadores e empresários brasileiros e alemães.

O primeiro é o setor das energias renováveis alternativas, sobretudo pelo uso da biomassa, energia eólica e exploração de pequenos rios e bacias hidrográficas.  O segundo é a introdução de práticas mais eficientes de gestão de resíduos sólidos urbanos e industriais, incluindo a melhor separação do lixo para sua reciclagem e o reaproveitamento térmico dos materiais.

“Outro grande desafio para o Brasil, identificado junto às empresas, está no setor de água e saneamento, principalmente a redução de perdas.  Por fim, o quarto segmento corresponde ao aumento da eficiência energética, em especial com a construção dos chamados “prédios verdes”, que trazem sistemas inovadores de aquecimento e refrigeração, por exemplo, e que utilizem materiais ecoeficientes”, contou Kunze.

Segundo ele, um importante resultado observado nas empresas entrevistadas foi que 46% investiram mais de 1% do faturamento em tecnologias sustentáveis.  Desse total, 27% investiram até 3% e 14% investiram mais de 5% em soluções sustentáveis, entre as quais melhorias na gestão da água e na gestão de resíduos sólidos, redução de emissões atmosféricas, preservação ambiental e créditos de carbono.

O estudo “Greentech in Brazil” também apontou barreiras importantes para o desenvolvimento de soluções verdes no país.  “A principal, de acordo com as empresas, ainda é o alto custo das tecnologias, com 32%, seguido pela falta de informação e divulgação das inovações, com 22%.  Isso evidencia a necessidade de intercâmbios científicos entre pesquisadores de diferentes países”, apontou Kunze.

Falta de financiamento (17%) e leis desfavoráveis (15%) também apareceram com destaque.  “O estudo mostrou, por outro lado, que somente 27% das empresas pretendem reduzir seus investimentos em tecnologias verdes até 2010, o que indica um baixo impacto da crise mundial sobre os investimentos em pesquisa e desenvolvimento”, disse.

Market Place of Innovations

Logo após a apresentação do estudo da Roland Berger foi realizada a abertura oficial da Ecogerma 2009 pelo ministro de Ciência e Tecnologia do Brasil, Sergio Rezende, e pela ministra de Educação e Pesquisa da Alemanha, Annette Schavan.

A Ecogerma 2009 conta ainda com um espaço para exibições de tecnologias e fóruns de discussão, o Market Place of Innovations, que se estenderá até 15 de março com a apresentação de soluções tecnológicas, políticas governamentais e empresariais sustentáveis em seis áreas principais: energia, tecnologias ambientais, infraestrutura, pesquisa e desenvolvimento, indústria e bens de consumo e agricultura.

 “Estou convencida de que as empresas e instituições de pesquisa e ensino representadas na Ecogerma, brasileiras e alemãs, desenvolverão novas cooperações e transferências de inovações para que, no futuro, o mercado mundial de tecnologias ambientais possa ser melhor servido pelas atividades de pesquisa”, disse a ministra alemã.

“Para o Brasil é sempre uma grande satisfação abrigar eventos dessa natureza, em que tecnologias voltadas para a utilização sustentável dos recursos naturais se fundem com o conhecimento de dois países que têm longa tradição em produção de ciência e em transformação das descobertas em produtos úteis para a sociedade”, disse Rezende.

A FAPESP está presente no Market Place of Innovations com um estande que apresenta ao público diversos projetos de pesquisa e modalidades de apoio a pesquisa.  Outra atração é a versão em português da exposição Brazilian Nature, lançada em Berlim, na Alemanha, em 2008.

A mostra tem como ponto de partida a Flora brasiliensis, obra do botânico alemão Carl Philipp von Martius (1794-1868) que até hoje é o mais completo levantamento da flora brasileira.  Por meio de um projeto de pesquisa apoiado pela FAPESP – Flora Brasiliensis On-line e Revisitada – a obra de Martius foi disponibilizada na internet com atualização da nomenclatura das plantas.  Os painéis que compõem a exposição trazem também dados do projeto Flora Fanerogâmica do Estado de São Paulo e do programa Biota-FAPESP.

Os painéis da exposição Brazilian Nature podem ser vistos, com legendas em português, inglês e alemão, no portal da FAPESP, em www.fapesp.br/publicacoes/braziliannature.

Mais informações sobre a Ecogerma 2009: http://www.ecogerma.com