Notícia

Diário do Noroeste (PR) online

É preciso mais ousadia para que as empresas prosperem

Publicado em 05 maio 2010

Combater restrições sistêmicas como baixa escolaridade, juros altos, encargos e tributos elevados, real apreciado, infraestrutura deficiente e excesso de burocracia são fundamentais para garantir um ambiente mais adequado à inovação no Brasil e para que as empresas possam ousar mais e investir em pesquisa e desenvolvimento.

A opinião é do diretor científico da Fapesp, Carlos Henrique de Brito Cruz, que falou nesta quarta-feira (27) na 10ª Conferência de Cooperação para a Inovação Sustentável - Anpei 2010.

Para o protagismo das empresas é preciso aumentar a ousadia para assim diminuir as restrições e prosperar, destacou Cruz. Para ele, as restrições limitam a exposição internacional e desestimulam o empresário a intensificar seu investimento em pesquisa.

O professor do Instituto de Economia da Unicamp, Carlos Américo Pacheco, também participou do evento e falou sobre A Agenda da Inovação Brasileira. De acordo com o professor, o mais importante é verificar se a agenda de inovação consegue alavancar a competitividade da empresa, pois o que mede o sucesso da inovação de uma empresa é o próprio sucesso da empresa.

A agenda de apoio à inovação vai ter que ser maior que a agenda de apoio à Pesquisa & Desenvolvimento, pois a inovação não deve ser entendida como apenas inovação tecnológica e sim em negócios e serviços também, frisou.

O cofundador da Bematech e vice-presidente da Fiep, Wolney Betiol, reforçou que um dos principais empecilhos da inovação nas empresas é a alta carga tributária. Se partimos do pressuposto que uma empresa que investe 7% do faturamento em P&D tem o mesmo ambiente tributário que uma empresa que não investe nada, então isso com certeza desestimula o empresário a investir.

Betiol instigou a plateia: Será que não temos como criar um mecanismo que diminua os tributos para quem investe em pesquisa, ou que protele esse pagamento? Ou então, que estimule as empresas a contratarem pesquisadores de universidades via bolsa de estudos?, indagou.