Notícia

O Estado (MS) online

Doença de Parkinson pode ser amenizada com terapia

Publicado em 03 setembro 2019

Um grupo de cientistas se reuniu para criar um protocolo capaz de amenizar os tremores, as dores e a rigidez dos músculos de pacientes com Parkinson testado em São Carlos um Centro de Pesquisas em Óptica e Fotônica (CEPOF) – um Centro de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPID) apoiado pela FAPESP e sediado no IFSC-USP –, do Centro Universitário Central Paulista (Unicep) e da Universidade Martin-Luther-Halle (Saale), na Alemanha. O grupo está em busca de voluntários portadores da doença interessados em participar da pesquisa.

A metodologia envolve a aplicação simultânea de laser e de pressão negativa (sucção dos músculos), usando um equipamento originalmente desenvolvido para procedimentos estéticos. Resultados preliminares foram divulgados no Journal of Alzheimer’s Disease & Parkinsonism.

“Estou muito surpreso com os resultados preliminares. Todos os 10 pacientes submetidos ao procedimento tiveram melhora significativa nas dores, bem como diminuição da rigidez muscular e dos tremores”, disse Vanderlei Bagnato, coordenador do CEPOF.

“Embora as células cerebrais que comandam a parte motora continuem a fazer estragos, com a progressiva perda de comando – algo inevitável na doença de Parkinson –, estamos conseguindo proporcionar um certo bem-estar a esses pacientes, permitindo que executem as atividades cotidianas graças a um processo de vascularização e estimulação muscular proporcionado pelo equipamento, na adequada combinação da mecânica de sucção e do bioestímulo do laser”, explicou Bagnato.

O pesquisador afirmou, contudo, que o protocolo não substitui a medicação regular.

Pacientes com Parkinson interessados em participar do estudo podem se cadastrar na Unidade de Terapia Fotodinâmica (UTF) do IFSC-USP, que funciona na Santa Casa da Misericórdia de São Carlos, por meio do telefone (16) 3509-1351.

(RB com Agência FAPESP)