Notícia

Jornal da Unesp online

Docentes de Rio Preto foram à final do Prêmio Santander

Publicado em 27 novembro 2008

Por Julio Zanella

Pesquisa cria dispositivo para computador de deficiente visual

Em breve, deficientes visuais poderão ler textos selecionados na tela do computador sem a necessidade de impressoras especiais ou recursos de voz. Os docentes José Márcio Machado e Mário Luiz Tronco, do Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas (Ibilce), câmpus de São José do Rio Preto, desenvolveram um dispositivo eletromecânico que, instalado no teclado, converte o texto selecionado no monitor em sinais do alfabeto braile. Estes sinais são captados por meio tátil através do teclado, podendo ser interpretados pelo usuário.

O invento foi finalista da etapa nacional do Prêmio Santander de Ciências e Inovação, categoria Tecnologia da Informação e Comunicação, representando a região Sudeste. “Este dispositivo vai aumentar a inserção digital dos deficientes visuais, o que poderá resultar em oportunidades de trabalho inteiramente novas em todas as atividades que empregam computadores pessoais”, avalia Machado. “Este dispositivo dispensa o uso de impressoras especiais que imprimem em papel grosso ou softwares conversores de textos em voz que são equipamentos caros e inconvenientes para os usuários”, aponta Tronco.

O dispositivo foi idealizado a partir de informações de usuários de escolas especiais para cegos da cidade de São José do Rio Preto. A próxima etapa do projeto, segundo os pesquisadores, será converter gráficos em linguagem perceptível aos deficientes visuais. Ainda de acordo com os docentes, isso poderá ser útil para o ensino de conceitos matemáticos avançados.

A pesquisa é financiada pela Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo). O anúncio dos vencedores e a entrega oficial dos prêmios ocorreu dia 18 de novembro, no Upper Club Hotel, na zona sul da capital paulista.