Notícia

Jornal Primeira Página online

Docentes da UFSCar participam de livro sobre a produção de bioetanol

Publicado em 01 abril 2017

No início de 2017 foi publicado o livro "Advances of Basic Science for Second Generation Bioethanol from Sugarcane" (Avanços da pesquisa básica para a geração de bioetanol de segunda geração a partir da cana-de-açúcar) pela editora Springer, referência mundial em livros científicos. Os editores são Marcos Buckeridge, professor do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo (USP) e Amanda Souza, pós-doutoranda da University of Illinois in Champaign-Urbana (UIUC).

O livro aborda as mais recentes descobertas no campo da produção de bioetanol, possibilitando uma visão abrangente de todo o processo, desde seu estudo elementar. Também apresenta soluções relativas ao avanço das pesquisas com bioenergia proveniente da cana-de-açúcar como cultura bioenergética e matéria-prima para a segunda geração de produção de bioetanol. Nomes renomados na área de pesquisa em bioetanol deram sua contribuição para este livro. Um dos capítulos intitulado "Yeast for Pentose Fermentation: Isolation, Screening, Performance, Manipulation, and Prospects" (Leveduras para a fermentação de pentoses: isolamento, seleção, performance, manipulação e perspectivas) foi escrito pelos docentes Sandra Regina Ceccato Antonini e Reinaldo Gaspar Bastos, do departamento de Tecnologia Agroindustrial e Socioeconomia Rural (DTAiSeR) do Campus Araras da Universidade federal de São Carlos (UFSCar), em parceria com pesquisadores da Universidade Estadual Paulista (Unesp).

O capítulo discute o contexto dos micro-organismos, especialmente leveduras, na fermentação de substratos hemicelulósicos para a produção de bioetanol no tocante ao isolamento e seleção de linhagens, habilidades fermentativas, limitações e perspectivas, bem como as técnicas de engenharia evolucionária e de manipulação genética que têm sido aplicadas para introduzir e selecionar características para a fermentação de pentoses (açúcares de cinco carbonos) na levedura industrial Saccharomyces cerevisiae. "As características do substrato e do processo têm um forte impacto na escolha do micro-organismo a ser utilizado na fermentação dos açúcares dos hidrolisados hemicelulósicos, pois devido à abundância de pentoses, a levedura Saccharomyces cerevisiae não pode ser utilizada, já que não é capaz de fermentar pentoses", explica Antonini.

A obra é resultado principalmente do trabalho desenvolvido pelo Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia do Bioetanol (INCT-Bioetanol), coordenado pelo professor Marcos Buckeridge e financiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). Para mais informações sobre como adquirir o livro acesse o site da editora: www.springer.com/gp/book/9783319498249.

Escrito por Redação