Notícia

Universia Brasil

Docente da UNESP de Registro estuda dissipação de resíduos de inseticidas em tomates

Publicado em 26 dezembro 2006

 

Sabe-se que na cultura do tomate são usados diversos agrotóxicos a fim de se obter uma produção estável no decorrer do ano e com frutos de boa aparência. Um desses agrotóxicos usados corresponde aos inseticidas organofosforados.
O objetivo do trabalho, realizado durante a tese de doutorado da docente Gláucia M. P. Pavarini da Unesp, campus de Registro, foi estudar a dissipação dos resíduos dos inseticidas methamidophos, parathion-methyl e chlorpyrifos em cultura de tomate estaqueado, após quatro pulverizações consecutivas durante o cultivo das águas.
Os resíduos de cada inseticida foram determinados por cromatografia gasosa através do método validado por Pavarini (2002). Os dados obtidos foram ajustados com seis modelos estatísticos propostos por TIMME et al. (1986), para o estudo da dissipação de resíduos usou-se um programa computacional desenvolvido no aplicativo Excel por Pavarini (2002).
Dos modelos testados, os dados de dissipação dos inseticidas methamidophos, chlorpyrifos e parathion-methyl ajustaram-se melhor a diferentes equações: equação de primeira ordem, 1,5ª ordem e função raiz de primeira ordem, respectivamente.
A partir dos modelos adotados, obteve-se os valores de meia-vida de 8, 1.2 e 0.7 dias para os inseticidas methamidophos, chlorpyrifos e parathion-methyl, respectivamente.
Para períodos chuvosos ou condições climáticas que favoreçam a dissipação dos três inseticidas, os limites máximos de resíduos (LMR) foram atingidos antes do PC (período de carência) estabelecido pela Legislação Brasileira: aos 15,8 dias para o methamidophos, 2,8 dias para o chlorpyrofos e 0,07 dias para o parathion-methyl.
Observou-se que o uso destes inseticidas, aplicados de acordo com as boas práticas agrícolas, não implicou em riscos aos consumidores do ponto de vista toxicológico quando os tomates foram cultivados durante períodos em que as condições climáticas favoreceram a dissipação destes produtos.
Esse trabalho corresponde à parte da tese de doutorado da Profa Dra. Gláucia Maria Pereira Pavarini, desenvolvida com Auxílio FAPESP. Os outros autores são Dr. Joaquim Gonçalves Machado Neto (FCAV-UNESP), Dra. Maria Eugênia da Costa Queiroz (FFCLRP-USP), Dr. Ronaldo Pavarini (UNESP-Registro) e Daniele Avilez Duo (FCAV-UNESP).
Para mais informações sobre a metodologia empregada e resultados obtidos, entrar em contato pelo e-mail gmppavarini@registro.unesp.br.
Fonte: Unesp