Notícia

Refrescante

Docente da UFSCar é escolhido para compor a Academia de Ciências para o Mundo em Desenvolvimento

Publicado em 09 dezembro 2011

O professor Edgar Dutra Zanotto, do Departamento de Engenharia de Materiais (DEMa) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), foi eleito para compor a Academia de Ciências para o Mundo em Desenvolvimento (TWAS). O anúncio foi feito no dia 23 de novembro e os novos membros eleitos tomarão posse no próximo ano.

Entre os 45 novos membros eleitos para compor a TWAS, sete são brasileiros. Além do professor Zanotto, fazem parte da TWAS o professor Carlos Henrique de Brito Cruz, diretor científico da Fapesp; Glaucius Oliva, presidente do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq); Ohara Augusto, do Instituto de Química da Universidade de São Paulo; Hilário Alencar da Silva, da Universidade Federal de Alagoas; Sérgio Costa Oliveira, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG); e Thaisa Storchi-Bergmann, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Para o professor Zanotto, a indicação de pesquisadores brasileiros reflete o alto nível das pesquisas desenvolvidas no País. O Brasil tem tido um papel destacado, com vários cientistas premiados pela TWAS, e até de notável liderança, como é o caso do atual presidente, o professor Jacob Palis. A participação na TWAS é importante, por exemplo, para se ter uma versão atualizada e fidedigna dos problemas e desafios pertinentes ao ensino, à ciência e à tecnologia nos países mais pobres. E assim pode permitir uma atuação mais eficiente naqueles países e no próprio Brasil, afirma.

Fundada em 1983, a TWAS é uma organização internacional autônoma, cuja missão principal é promover a excelência científica para o desenvolvimento sustentável do Sul. Diante dessa proposta, Zanotto defende a necessidade de concentrar esforços para o apoio, cooperação e promoção da excelência em pesquisa científica nos países participantes da Academia. A TWAS engloba tanto países em desenvolvimento, tais como o Brasil, China e Índia, como dezenas de países que sequer atingiram esse estágio social e econômico. Portanto, os desafios são enormes, começando pelas áreas básicas de educação, alimentação e saúde, chegando até o desenvolvimento tecnológico sustentável, afirma.

Mais informações podem ser obtidas no site da TWAS, em http://twas.ictp.it.